Von Miller escreve carta emocionante à Gary Kubiak

4 de janeiro de 2017
Tags: broncos, Notícias do Dia, paulo cesar,

ap_891065396727

Após o fim da temporada regular de 2016, em que o atual campeão Denver Broncos terminou com o recorde de 9-7 (insuficiente para classificá-lo aos playoffs) o HC Gary Kubiak decidiu abrir mão do cargo de treinador principal e se aposentou, devido a alguns problemas de saúde que podem afetar sua vida a curto e longo prazo, caso não mudasse seu estilo de vida. Foram duas produtivas temporadas com o time do Colorado, com destaque para a temporada passada, em que guiou o time ao Super Bowl 50, quando contou com a poderosa defesa comandada por Wade Phillips para conquistar o título máximo do esporte. Porém, após perder peças importantes no ataque – QBs Peyton Manning e Brock Osweiler – e na defesa, como o DE Malik Jackson e o LB Danny Trevathan, o Broncos não conseguiu repetir o bom desempenho e, combinado com a ascensão de Oakland Raiders e Kansas City Chiefs, ficou fora dos playoffs. O LB Von Miller, principal jogador da equipe e MVP do Super Bowl 50, escreveu uma carta aberta ao agora ex-HC, o parabenizando pela excelente carreira construída no Broncos e no Houston Texans, e fazendo saber a contribuição que Kubiak teve na evolução de seu jogo. Confira a carta na íntegra:

A coisa mais difícil no futebol americano é perder. Qualquer técnico é capaz de chegar na frente do time após uma vitória e dizer ‘vejo vocês na segunda”. Mas o que faz um grande técnico é a capacidade de entender o que o faz um time se reorganizar coletivamente após a derrota. Isso era exatamente o que Kubiak fez, e isto é quem ele é.

O técnico Kubiak se aposentou na segunda-feira após 23 temporadas como treinador e nove como jogador na NFL. Ele fez parte, seja como jogador ou treinador, de todos os três times do Broncos que venceram o Super Bowl, sendo que o mais recente, no ano passado, foi nos guiando à vitória contra o Carolina Panthers no Super Bowl 50.

Ele era o líder em que acreditávamos, um homem com caráter e que sempre tinha um plano. Ele costuma me chamar e dar o que eu chamo de ‘missões’ – após as reuniões ele me chamava em um canto e dizia o que precisava de mim naquele dia, ou aumentar o nível de intensidade nos treinos ou focar nos pequenos detalhes. Eu ficava animado e honrado em ser chamado.

Quando Trevor Siemian venceu a batalha pela titularidade na posição de QB, Kubiak contou comigo e com outros veteranos para darem suporte a Trev. Falei a DeMarcus Ware que tínhamos que mostrar aos outros jogadores que aquele era o time de Trev. Fizemos questão de garantir que os demais atletas seguissem sua liderança e exemplo durante os treinos, pois quando há alguns atletas de impacto que empoderam um jogador menos conhecido, é algo contagiante no vestitário. Eu acredito que este esforço valeu a pena, e acredito que a confiança de Kubiak pagou seus dividendos.

Kubiak, um ex-Quarterback, conhece a posição. Ele sabia que precisava tirar Peyton Manning do time em favor de Brock Osweiler durante a última temporada regular para ter Peyton saudável nos playoffs. Sabia quando precisava colocar Peyton de volta ao time titular. Tudo funcionou bem porque Kubiak sempre tinha um plano. Ele não era o tipo de homem que atira alguma coisa na parede e simplesmente espera os resultados. Ele sempre tinha tudo planejado e sabia exatamente o que esperava que acontecesse.

Sabendo disso, é compreensível que ele se afastaria do esporte no momento em que ele percebeu que não poderia se dedicar 100% à preparação. Para ele, treinar é algo parecido com ‘tudo ou nada’,  ele preferiu se afastar do que oferecer algo menos que seu melhor possível.

Não sabia muita coisa sobre ele há dois anos. Sabia apenas que ele também frequentou Texas A&M. O que eu rapidamente percebi foi que ele me daria a liberdade para descobrir o tipo de jogador e de pessoa que eu poderia me tornar.

Ele me tratava como um membro da comissão técnica, sem nenhum tipo de monitoramento ou pressão por desempenho. Sabendo pouquíssimo sobre mim, ele me deu confiança para ser eu mesmo, ao mesmo tempo que me mantinha motivado com os objetivos claros à minha frente. Sempre fui o estilo brincalhão na escola e nos vestiários, mas a liberdade que Kubiak ofereceu me fez pensar sobre legado e aqueles discursos de indução ao Hall da Fama. Eu comecei com coisas pequenas, como ficando em casa e descansado meu corpo durante o training camp. Ele me ajudou a ver esta luz.

Neste nível, ele fez o impossível, que é vencer o Super Bowl em sua primeira temporada de volta à Denver. Ele fez isso isto navegando na linha tênue entre manter os jogadores descansados e saudáveis para os playoffs em janeiro e sendo competitivos aos domingos antes disso. Enquanto Kub esteve aqui éramos este time; apenas queríamos ser este time nos playoffs. No primeiro training camp, os veteranos praticavam um dia e descansava no dia seguinte, pela primeira vez para vários jogadores. Eu costumava ir treinar todos os dias, me esforçando, batendo na parede, e forçando meu corpo contra esta parede. Mas o treinador queria que eu me acalmasse, e funcionou.

Quando esta temporada não teve o rumo que esperávamos, em que fiquei fora dos playoffs pela primeira vez em minha carreira, ele fez as coisas difíceis que apenas os grandes técnicos fazem. Em particular, ele falou com seus jogadores para erguerem a cabeça, comunicando claramente suas expectativas e o que esperava que corrigíssemos. Em público, ele tomou para si a culpa sobre tudo, mesmo aquilo que claramente não era culpa sua. Todo time de futebol tem aqueles pequenos grupos que podem se rebelar quando atingem obstáculos, porém ele fez um grande trabalho mantendo todos juntos quando começamos a sentir que o navio não estava em seu rumo planejado.

Então eu continuarei seu trabalho, cumprindo as missões que me deu, e sempre lembrarei da confiança e respeito que teve por mim desde o primeiro dia.

Para o Denver Broncos, parece ser uma longa intertemporada pela frente. Com problemas no teto salarial e uma indefinição na posição de QB, há boatos que o time poderia se livrar de jogadores com longos contratos, como o CB Aqib Talib, e que o LB DeMarcus Ware poderia se aposentar devido a um problema crônico na costa. Porém, ao que tudo indica, a liderança de Von Miller é o pilar principal da equipe na procura de um novo técnico e é o que pode guiar o time tão tradicional de volta aos playoffs na temporada de 2017, seja quem for o QB e o HC.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook.

Postagens Relacionadas









Paulo César é o setorista da NFC LESTE. Analisa Giants, Cowboys, Redskins e Eagles às terças e quintas aqui no site. No projeto setoristas, falamos dos 32 times a cada duas semanas! Siga-o no Twitter para acompanhar mais da cobertura dessa divisão e debater sobre as matérias: @PcesarPJunior