quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Compartilhe

superbowlxlvilx0oxjble-ql

É inegável que New England Patriots e New York Giants tenham formado uma das grandes rivalidades entre times de conferências diferentes nos últimos anos que se viu na NFL. Graças a dois confrontos épicos das equipes em Super Bowl – XLII e XLVI – em que ambos terminaram com vitória do então azarão Giants, qualquer partida entre as equipes, seja a cada quatro anos ou em um possível terceiro Super Bowl, gerará muitas expectativas se o lendário QB Tom Brady finalmente conseguirá exorcizar um dos últimos demônios que sua gloriosa carreira. Nesta temporada, Giants e Pats irão aos playoffs na mesma campanha pela primeira vez desde 2011, temporada da vitória dos G-Men por 21 x 17 no Super Bowl 46, em Indianapolis, o que reacende a esperança de ver esses times pela terceira vez decidindo o título de uma temporada. O WR Victor Cruz, presente na conquista em Indianapolis, deu uma entrevista cheio de confiança sobre os sentimentos que o Patriots teriam caso enfrentem sua equipe no principal jogo do ano.

“Eles não querem nos ver. Tenho certeza que se perguntarem a eles (Patriots), dirão que enfrentarão qualquer adversário que eles não irão ligar. Tenho certeza que não querem nos enfrentar, isto eu garanto.” Tal declaração esbanja confiança do atleta, que foi peça crucial na caminhada do time que culminou na última conquista, e último jogo de playoff da franquia, em fevereiro de 2012, mas se analizarmos o cenário dos classificados para os playoffs na AFC e na NFC, não é bem assim.

Enquanto na NFC há QBs como Russell Wilson e Aaron Rodgers, que com certeza iriam tirar o sono de Belichick na montagem do plano de um jogo de um possível Super Bowl, além de poderosas unidades ofensivas no geral como a do Atlanta Falcons e do Dallas Cowboys, a principal “dor de cabeça” no caminho do Patriots na AFC parece se resumir ao Pittsburgh Steelers de Ben Roethlisberger, um QB estabelecido e que, assim como Eli Manning, já venceu dois Super Bowls em sua longa carreira. Outro ponto positivo para o Patriots também é que, em caso de um terceiro Super Bowl entre as equipes, seria o primeiro em que o lendário HC Tom Coughlin, o arquiteto das duas conquistas da franquia de Nova Iorque, não estaria na lateral de campo comandando a equipe, em vez dele, estaria Ben McAdoo, que em seu primeiro ano como técnico principal já mediria forças com Belichick, um dos maiores da história. Ao menos Steve Spagnuolo, coordenador defensivo na conquista do Super Bowl 42, que montou a defesa que segurou um dos melhores ataques da história a apenas 14 pontos naquela partida, está novamente no mesmo cargo contando com grandes nomes como Olivier Vernon, Janoris Jenkins e Landon Collins, este último tem tudo para vencer o prêmio de jogador defensivo da temporada.

Contudo, é ótimo para a NFL que uma franquia com tanta história esteja de volta aos playoffs após meia década de abstinência, ao mesmo tempo que também é bom ver um atleta que confia em sua equipe e crê que ela pode causar calafrios em um adversário tão poderoso. Com os playoffs começando nos primeiros dias de Janeiro, veremos se ambos os times terão a capacidade de superar todas as adversidades e se reencontrarem novamente, daí teremos uma prova definitiva se o confiante Cruz tem razão nesta declaração.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook.

Compartilhe

Comments are closed.