Vencedores e perdedores da primeira semana de Free Agency

16 de março de 2016
Tags: Arthur Murta, broncos, browns, free agency, jaguars, matérias, osweiler, raiders, vernon,

565ce57f836a7.image

Hoje completamos uma semana da abertura do período de Free Agency e quase todos grandes nomes já decidiram aonde vão jogar em 2016. O que não quer dizer que não tenham nomes disponíveis, capazes de ajudar imediatamente as necessidades dos times.

O período é só uma etapa da montagem de uma equipe e há quem concorde que o período de Free Agency nem é tão importante. Mas sabendo aproveitar o mercado, muitos times conseguem sair fortalecidos e reduzir as necessidades rumo ao Draft.

LEIA MAIS: As dez melhores contratações da Free Agency
LEIA MAIS: As melhores e piores contratações da história da NFL

Apesar de ser muito cedo para termos respostas concretas sobre quais são os planos dos times para o próximo ano, nada impede que a gente olhe com cuidado as movimentações e os contratos fechados para dizer quem parece ter se dado bem e quem está pior depois dessa última semana, que foi bem movimentada. Então, vamos logo analisar quem foram os vencedores e perdedores nessa primeira semana de Free Agency:

VENCEDORES

Jacksonville Jaguars

Jaguars 2014 Cabana

O Jacksonville Jaguars tem uma base muito boa, e jovem, no ataque, e o esperado é que Blake Bortles e sua potente dupla de Allens (Robinson e Hurns) progridam ainda mais em 2016, além de ter um ótimo TE em Julius Thomas, que livre de lesões, completará o arsenal de Bortles. Para ajudar o RB segundo anista, T.J. Yeldon, o Jaguars trouxe Chris Ivory, corredor que vem de um ótimo ano com o New York Jets. O ataque que já era bom, estará ainda melhor e mais maduro.

Já na defesa, o técnico Gus Bradley contará com o retorno do DE Dante Fowler Jr, 3ª escolha geral do último Draft, que perdeu sua temporada de calouro lesionado. Além disso, a equipe contratou Malik Jackson para o interior da linha defensiva, o FS Tashaun Gipson e o CB Prince Amukamara para reforçarem a secundária.

E mesmo com todas as contratações, Jaguars, juntamente ao 49ers, ainda é o time com maior espaço salarial disponível nesse momento, fazendo com que o alto preço pago por Malik Jackson nem seja um problema.

Com uma boa base construída através das inúmeras escolhas no TOP 5 que o time da Flórida teve nos últimos anos, e boas adições no Free Agency, o Jaguars parece estar com uma boa fórmula para se firmar de vez e brigar pela combalida AFC South.

Só tem uma coisa que me deixou com uma pulga atrás da orelha nessa Free Agency do Jaguars, você pode conferir qual meu motivo de desconfiança ouvindo o Podcast Ep #35 – Análise da Free Agency.

Oakland Raiders

A franquia californiana vem trabalhando de forma parecida com a de Jacksonville, tendo uma boa base formada nos últimos Drafts, especialmente com as escolhas de Derek Carr, Amari Cooper e Khalil Mack. O Raiders parece ter uma boa espinha dorsal tanto na defesa, quanto no ataque.

Esse ano resolveram investir pesado na Free Agency, trazendo reforços pontuais em Kelechi Osemele, que pode atuar como OT ou OG, assim como o CB Sean Smith e LB Bruce Irvin, para formar uma potente defesa comandada por Khalil Mack.

Você pode ver mais detalhes sobre o que o Raiders vem fazendo certo lendo esta análise que fizemos essa semana sobre o time: Cuidado NFL, aí vem o Oakland Raiders

QBs procurando emprego

Brock Osweiler tem em seu currículo a modesta marca de 7 jogos como titular, mas isso não impediu que o Houston Texans oferecesse um contrato de U$ 72M por 4 anos. Ele pode até se firmar como um bom QB, mas com a pequena amostra onde vimos bons e maus momentos, fica difícil de ignorar o risco da contratação dos texanos. Mas se tem alguém que não corre risco nessa história, é o próprio Osweiler. Ele recusou uma oferta de U$ 15M por ano que o manteria em Denver e garantiu, pelo menos, U$ 37M ao assinar o contrato do Texans.

Todos sabem a importância da posição na liga, assim como a dificuldade de conseguir um QB que seja realmente  confiável. E esses são os fatores que impulsionam o preço e geram a supervalorização dos QBs da NFL. Times pagam quantias absurdas mesmo sem a certeza de que aquele QB valerá o investimento.

O Philadelphia Eagles, por exemplo, reteve Sam Bradford pagando um salário que pode chegar a U$ 35M em 2 anos, algo que se esperaria de um legítimo titular. Mas há um sinal que indica que o time da Philadelphia não confia tanto em Bradford: a contratação de Chase Daniel para ser seu reserva, pagando altos U$ 7M por ano (U$ 21M totais no contrato), o maior salário entre QBs reservas da NFL.

Outros nomes com diversos pontos de interrogação têm sido bem cotados nas últimas semanas. Diversos times demonstraram interesse em conversar com Colin Kaepernick e Robert Griffin III. Tudo indica, inclusive, que o Denver Broncos ofereceu uma escolha de 4ª rodada por Kaepernick. QBs em seu último ano de contrato, como Andrew Luck, Kirk Cousins e Tyrod Taylor devem estar bem empolgados com as cifras que poderão receber no próximo ano.

Outro nome que ainda pode vir a receber um bom contrato esse ano é Ryan Fitzpatrick. Após uma de suas melhores temporadas, ele esperava ser mais valorizado pelo Jets, que, aparentemente, ofereceu um contrato parecido com o de Chase Daniel, desagradando o barbudo. Ainda acho que Ryan Fitzpatrick pode conseguir algo em torno de U$ 10M por um ano de contrato. O melhor lugar para ele ir, caso saia do Jets,  seria Denver. Mas o Broncos está longe de ser o único time precisando de um QB: 49ers, Browns, Rams e o próprio Jets estão atentos à essas movimentações.

Olivier Vernon

olivier-vernon-102115t

Vernon tinha recebido uma Transition Tag e tudo indicava que ficaria em Miami por mais um ano, sob um contrato de U$ 12,7M. Nada mal por um jogador em ascensão, mas que não pode ser considerado um dos melhores da liga na sua posição. Ainda não, embora exista potencial.

Mas foi aí que as coisas melhoraram para Vernon. Ao contratar Mario Williams e confiar no veterano Cameron Wake, Miami retirou a Tag do atleta, permitindo que ele negociasse com outras equipes. O New York Giants levou o Pass Rusher pela enorme soma de U$ 85M por 5 anos de contrato, sendo U$ 52M garantidos.

PERDEDORES

Cleveland Browns

johnny-manziel-dawg-pound-nfl-cincinnati-bengals-cleveland-browns-850x560

O Cleveland Browns é uma franquia perdida dentro e fora de campo. Quando se troca o comando da franquia com a frequência que a equipe de Ohio troca, fica difícil atrair jogadores dispostos a comprar a filosofia em curso. Até porque a filosofia muda anualmente.

Para entender a bagunça em Cleveland: as últimas 5 mudanças de técnico na AFC North, foram no Browns. E não é só o técnico que muda frequentemente, a diretoria da franquia é uma grande batata quente, passando de mão em mão. Desde que comprada pelo magnata Jimmy Haslam, em 2012, a franquia teve três diretores executivos (CEO) diferentes e quatro General Managers distintos. O time que joga no estádio apelidado B4ctXRZCUAEp76W“the factory of sadness” (a fábrica da tristeza), definitivamente, não é o lugar para ir se você procura estabilidade profissional.

Esse ano ainda teve o agravante de perder diversos dos seus jogadores mais talentosos, como foi o caso do C Alex Mack (Falcons), do RT Mitchell Schwartz (Chiefs), do FS Tashaun Gipson (Jaguars) e do WR/KR Travis Benjamin (Chargers). Segundo Adam Schefter (jornalista da ESPN), os jogadores tratam o time de Cleveland como um time universitário, onde passam quatro anos até poder jogar trocar de equipe.

Isso tudo sem contar a dispensa de Johnny Manziel, QB selecionado na primeira rodada de 2014. Se bem que, apesar da escolha desperdiçada, essa deve até soar como boa notícia, colocando em perspectiva o resto das movimentações. Para piorar a situação, o Browns ainda não contratou nenhum jogador.

Enfim, a situação é trágica em Cleveland, o lado positivo é que eles terão algumas escolhas compensatórias no Draft do ano que vem. Fica a esperança que a nova diretoria conseguirá colocar algum plano em curso. O novo técnico Hue Jackson terá muito trabalho para recuperar a dignidade da franquia, a dúvida é se ele terá trabalho em Cleveland no ano que vem ou se vai ser mais um a entrar nas estatísticas.

 Running backs procurando emprego

Doug Martin foi um dos melhores corredores da liga no último ano, senão o melhor. Com isso ganhou uma renovação no valor de U$ 35 M por 5 anos. A média de salário anual de U$ 7M é bem próxima aos valores assinados por Marvin Jones e Mohamed Sanu, WRs que eram o 3º e 4º alvo do ataque do Bengals. O TE Coby Fleener assinou um contrato parecido com o Saints, mesmo estando longe de ser um dos melhores TEs. O valor também é similar ao de Chase Daniel, reserva do Eagles que comentamos anteriormente.

Outros RBs muito bons no mercado assinaram valores parecidos, como foi o caso de Lamar Miller e Chris Ivory, e isso mostra a desvalorização da posição. Matt Forte foi um dos melhores RBs da liga na última década e, apesar da idade, ainda deve ter alguma lenha para queimar, mesmo assim assinou um contrato de 3 anos e U$ 12M com o Jets. Arian Foster, outro que figurava entre os melhores da liga, ainda está buscando um novo time após ser dispensado pelo Texans, mas seu histórico de lesões não ajuda e tudo indica que ele se contentará com um salário modesto.

Denver Broncos

Todos sabíamos que o time do Broncos teria problemas para manter a base do time que venceu o último Super Bowl, mas acredito que a torcida de lá não imaginava que as perdas seriam tão significativas. Após a aposentadoria de Peyton Manning e a saída de Brock Osweiler, o time se encontra sem soluções para a posição mais importante da equipe. Fora isso, perdeu duas peças muito importantes em seu Front Seven: Danny Trevathan (Bears) e Malik Jackson (Jaguars).

O time de Denver deverá continuar competitivo, a defesa ainda é forte. Mas o maior fator que me fez colocar Denver entre os perdedores, é que a competição na AFC Oeste está engrossando e as equipes da divisão saem fortalecidas dessa primeira semana de Free Agency.

E para você, quem foram os vencedores e perdedores iniciais dessa Free Agency?

Postagens Relacionadas









Arthur Murta conheceu a NFL em 2005 e, desde que pisou no Ralph Wilson Stadium, nunca mais foi o mesmo. Além de uma matéria semanal, também é responsável pela coluna Dicas de Fantasy e co-apresenta o Podcast Liga dos 32. Arthur gosta de fantasy football mais do que gosta de sorvete. Twitter: @murtaarthur