TOP 5 – Maiores Zebras da História do Super Bowl

21 de novembro de 2016
Tags: paulo cesar, top 5,

top5d3

O esporte por si só é uma ciência inexata. Embora analistas que dedicam a carreira a estudar e dissecar os jogos da NFL passem semanas analisando um confronto com todas as variáveis possíveis a fim de dar um prognóstico mais próximo possível da realidade de como será determinado confronto, sabemos que não é bem assim que acontece. Um lance, um jogador, uma chamada até então desconhecida pode mudar o rumo de uma partida, e ao analisar no âmbito do Super Bowl, pode mudar a história de duas franquias e eternizar (positiva ou negativamente) os jogadores envolvidos. O TOP 5 desta semana lista as maiores “zebras” da história do Super Bowl, nos quais um time era altamente favorito frente a um adversário até então definido como incapaz de bater de frente com ele, mas que superou todos os prognósticos feitos até então e saiu com a vitória, e consequentemente com o título.

5) Super Bowl XXXII – Denver Broncos 31 x 24 Green Bay Packers, 25 de Janeiro de 1998

super-bowl-xxxii-broncos-31-packers-24

Até então em sua carreira, John Elway sempre fora conhecido por ser extremamente competitivo e um QB com todos os talentos necessários para levar um time ao sucesso, porém nunca o tinha feito. Aos 37 anos de idade, Elway liderava o Broncos contra o amplo favorito Green Bay Packers, que defendia o título conquistado na temporada anterior e tinha o melhor recorde da NFC, apoiado no lendário QB Brett Favre. Numa das jogadas mais emblemáticas da história do Super Bowl, Elway se jogou na end zone no meio de dois defensores do Broncos, naquele TD terrestre que ficou conhecido como “The Helicopter”, já que o impacto dos defensores fez Elway e seus 37 anos girarem no ar por alguns segundos. A jogada inspirou o Denver Broncos, que teve no RB Terrell Davis um dos melhores desempenhos da história do grande jogo: foram 157 jardas terrestres e 3 TDs em apenas três períodos de jogo, já que o RB ficou fora de todo o segundo quarto, lesionado. O status de azarão dado a Elway pareceu motivá-lo durante toda a partida e não impediu que o lendário QB conquistasse o Troféu Vince Lombardi pela primeira vez na carreira, encerrando um jejum de 13 anos sem que um time da AFC derrotasse um da NFC no Super Bowl, com a última vitória datada de 1983, e encerrando uma incômoda estatística do Broncos, que havia sido derrotado nas quatro últimas oportunidades em que esteve no grande jogo pelo placar combinado de 163 – 50.

4) Super Bowl III – Baltimore Colts 7 x 16 New York Jets – 12 de Janeiro de 1969

super-bowl-iii

Este confronto é um dos maiores da história do esporte por variados motivos. Foi o primeiro embate máximo da temporada com a nomenclatura de Super Bowl após a fusão da NFL com a antiga AFL que deu origem a “nova NFL”, pois antes disso, o jogo oficialmente era chamado de “AFL-NFL Championship Game”. De um lado o potente time do Colts representando a NFL, comandado pelo HC Don Shula e pelo QB Earl Morrall, altamente favorito nas casas de apostas, contra o New York Jets, representante da AFL, que todos diziam ser muito inferior que a NFL em talento e intensidade de jogo. O pré-jogo foi marcado por diversa troca de farpas entre as equipes, com o QB Joe Namath, do Jets, dando sua famosa declaração em que assegurava que o Jets venceria o favorito Colts, que não estava preparado para enfrentar o Jets, já que na NFL não haviam bons QBs como na AFL. O Colts não levou o confronto tão a sério, mas quando o Jets caminhou 80 jardas e anotou seu TD e interceptou Morrall três vezes durante o primeiro tempo, Baltimore se viu frente a um adversário sedento pela vitória. Namath guiaria seu time a mais três FGs durante o segundo tempo para a confortável liderança de 16 x 00. Baltimore ainda anotaria seu TD no final da partida, mas foi insuficiente para evitar a derrota do Colts, que saiu do Orange Bowl em Miami com a improvável derrota, num jogo que estabilizou Namath como um dos grandes QBs da história da NFL.

3) Super Bowl XXXVI – New England Patriots 20 x 17 Saint Louis Rams, 3 de Fevereiro de 2002

3 Feb 2002:  Kicker Adam Vinatieri #4 of the New England Patriots watches his 48-yard game-winning field goal for a 20-17 Super Bowl XXXVI victory over the St. Louis Rams at the Superdome in New Orleans, Louisiana. DIGITAL IMAGE.Mandatory Credit: Al Bello/Getty Images

Antes de mundialmente conhecido como um dos melhores QBs de todos os tempos, Tom Brady era um segundo-anista recrutado na sexta rodada do Draft que foi jogado aos leões após lesão do QB titular Drew Bledsoe, enfrentando o Saint Louis Rams e o “The Greatest Show of Turf”, com o melhor ataque da história com o QB Kurt Warner, RB Marshall Faulk e os WRs Isaac Bruce e Torry Holt. O Patriots não era cotado para vencer este jogo, verdade seja dita, o Patriots não era cotado para estar neste jogo, mas após grande campanha na temporada regular, o time de Foxborough ganhou o direito de representar a AFC no confronto máximo da temporada. Liderado pelo desconhecido Brady, o Patriots contou com um ótimo desempenho da defesa, que retornou uma interceptação para TD com o CB Ty Law durante o segundo quarto. O Rams, totalmente apoiado no ataque aéreo de Warner, respondeu no quarto período com dois TDs sem resposta do Patriots que empataram a partida em 17 pontos a um minuto e meio do fim. Porém Brady chocou o mundo e começou a marcar seu nome na história da NFL ao liderar uma campanha de nove jogadas que conquistou 53 jardas e posicionou o K Adam Vinatieri para o chute de 49 jardas com o cronômetro expirado, que deu o primeiro de três títulos conquistados em quatro anos pelo time de New England, nenhum tão inesperado quanto este.

2) Super Bowl XXV – New York Giants 20 x 19 Buffalo Bills, 27 de Janeiro de 1991

image

O Bills da década de 90 marcou negativamente seu nome na história da NFL como a única equipe a perder quatro Super Bowls consecutivos, porém nenhum foi tão doloroso quanto este. O cenário era mais propício possível, pois Buffalo era um time extremamente talentoso: foram ao todo nove jogadores escolhidos para o Pro Bowl, incluindo Darryll Talley, Shane Conlan e Cornelius Bennett, os três LBs titulares e o DE Bruce Smith, que foi o jogador defensivo do ano ao liderar a NFL com 19 sacks. No ataque,o “K-Gun”, nome dado ao ataque comandado pelo QB Jim Kelly, foi um dos melhores da NFL em pontos e jardas por jogo. O Giants, por sua vez, tinha soberbos nomes na defesa como o LB Pepper Johnson e o DE Lawrence Taylor, porém o ataque da equipe foi apenas o 17º melhor e jogou o Super Bowl sem o titular Phill Simms, que se machucou na parte final da temporada. Parecia finalmente que o Bills iria retirara estigma que rondava o Ralph Wilson Stadium, porém o QB Jim Kelly teve um jogo irreconhecível para o seu padrão, pois mesmo apoiado nas 135 jardas terrestres do RB Thurman Thomas em apenas 15 tentativas, Kelly completou 18 de 30 passes para 212 jardas, sem TDs nem interceptações. Por outro lado, Jeff Hostetler, o QB do Giants, mostrou grande habilidade em controlar o relógio e manteve o potente ataque do Bills fora de campo pela grande maioria de jogo: foram 40 minutos de posse para o Giants contra pouco mais de 18 do Bills. O final da partida foi emocionante, porém o K Scott Norwood errou o FG da vitória a oito segundos do fim, quando o disparo de 47 jardas passou à direita das traves e selou a improvável vitória do New York Giants.

1) Super Bowl XLII – New England Patriots 14 x 17 New York Giants, 3 de Fevereiro de 2008

Top 5 - #4 (1)

Realizado no University of Phoenix Stadium, o Super Bowl XLII era dado por analistas como uma mera formalidade. De um lado o Patriots, até então com a campanha perfeita de 18 vitórias comandado pelo QB Tom Brady e uma defesa poderosa, que buscava eternizar-se na história como a segunda equipe a vencer um campeonato da NFL invicto (ao lado do Miami Dolphins de 1972). Do outro o New York Giants, um azarão que até então o “pior” time a ir para o Super Bowl na relação de vitórias e derrotas (com o recorde de 9-7, fato repetido pelo próprio Giants na temporada de 2011, justamente contra o New England Patriots novamente), comandado pelo QB Eli Manning, até então mais conhecido pelo seu sobrenome famoso. Porém, o New York Giants contou com uma espetacular atuação de sua defesa, que segurou o ataque do Patriots, que teve média de 38 pontos por jogo, a meros 7 pontos até o último período, quando um TD do WR Randy Moss deu a vantagem para o Patriots a três minutos do fim, quando Eli Manning conseguiu a miraculosa campanha da vitória. Prova do quão chocante foi a vitória do Giants, o falastrão WR do Giants Plaxico Burress previu a vitória de seu time por 24 x 17 dias antes do embate; ao saber disso, o QB Tom Brady respondeu em tom de deboche: “vamos anotar apenas 17 pontos?” Bem, o Patriots nem sequer chegou a isso, e a “helmet catch” do WR David Tyree durante a derradeira campanha é considerada uma das, senão a maior jogada da história do Super Bowl.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook.

Postagens Relacionadas









Paulo César é o setorista da NFC LESTE. Analisa Giants, Cowboys, Redskins e Eagles às terças e quintas aqui no site. No projeto setoristas, falamos dos 32 times a cada duas semanas! Siga-o no Twitter para acompanhar mais da cobertura dessa divisão e debater sobre as matérias: @PcesarPJunior