TOP 5 – fenômenos de apenas uma temporada

12 de dezembro de 2016
Tags: paulo cesar, top 5,

top5d3

Graças a seu modo de organização, diferente de todas as ligas esportivas do mundo, a NFL nos brinda com um ritmo frenético no que diz respeito à mudanças repentinas de uma temporada para a outra. Trocas de treinadores e comissão técnica, o Draft, a Free Agency e, no que diz respeito ao desempenho dos jogadores, o material disponível para estudo, nos dá como resultado alguns jogadores que, em sua carreira, tiveram o que os americanos chamam de “one year wonder”, um termo que no mundo do futebol americano não tem uma tradução literal para o português, mas que simboliza a temporada maravilhosa de um atleta, que antes (e/ou após ela) compilou uma carreira melancólica e trágica na NFL. O TOP 5 desta semana lista justamente estes jogadores, que tiveram uma grande campanha em uma temporada isolada, e que passaram longe de repetir tal desempenho durante o resto da carreira.

NOTA: foi excluído o critério “lesão” neste ranking, ou seja, não estão listados atletas que tiveram uma ótima temporada, mas que se machucaram e jamais foram o mesmo, focando apenas no desempenho dele em campo.

5) Derek Anderson – QB do Cleveland Browns na temporada de 2007

derek-anderson

Abrimos o TOP 5 com talvez o grande QB da história recente do Browns, pois Anderson tem essa alcunha graças a seu desempenho na temporada de 2007. Naquele ano, ele guiou Cleveland ao recorde de 10-6, em que determinado momento da temporada, o time estava 7-4 e tinha nas mãos o controle da AFC Norte, que acabou ficando com o Pittsburgh Steelers. Foram mais de 3700 jardas aéreas juntamente com 29 passes para TD, números que lhe renderam uma nomeação para o Pro Bowl ao final daquela campanha, juntamente com outros cinco jogadores do Browns, recorde da franquia desde 1995. Na temporada seguinte, havia muita expectativa sobre o que este time seria capaz de fazer graças ao ótimo desempenho do QB, mas tais expectativas foram rapidamente dizimadas quando a equipe começou com três derrotas seguidas e terminou com o recorde de 4-12, em que Anderson atuou apenas por nove jogos, completou 50% de seus passes e acabou bancado para o então segundo anista Brady Quinn durante o ano. Em 2009, sua última temporada em Cleveland, ele lançou dez interceptações contra apenas três passes para TD, desempenho nada bom se comparado com o de duas temporadas anteriores. Desde 2011, é reserva do QB Cam Newton do Carolina Panthers e, aos 33 anos, não deve ter a oportunidade de ser o titular de alguma franquia.

4) Steve Beuerlein – QB do Carolina Panthers na temporada de 1999

Steve Beuerlein #7

A temporada de 1999 está marcada para sempre na memória daqueles que se empolgam com o grande desempenho de um ataque na NFL, afinal, foi neste ano que o Saint Louis Rams assombrou o cenário do esporte ao introduzir o Greatest Show of Turf, ataque que contava com nomes como QB Kurt Warner, RB Marshall Faulk e WRs Torry Holt e Isaac Bruce, que compilaram todo tipo de recorde durante aquela campanha. Pois bem, Warner foi o MVP após uma estrondosa campanha, mas sabem quem liderou a NFL em jardas aéreas naquela temporada? Steve Beuerlein! O QB do Panthers simplesmente lançou para 4436 jardas e 36 passes para TD, completando mais de 60% dos passes e levando o Panthers, então uma franquia em expansão no cenário da NFL, ao recorde de 8-8 ao final de 1999. Contudo, a carreira de Beuerlein foi medíocre após isso, durando apenas mais uma temporada no Panthers e duas posteriores no Denver Broncos, se aposentando após isso. É um QB que jogou por diversas franquias como Raiders, Cardinals e Cowboys de 1987 a 2003, mas em nenhuma delas passou perto de ter o desempenho de 1999 com o Panthers. Atualmente comentarista da CBS, é também conhecido por ter sido a primeira escolha do Draft de expansão da NFL, organizado em 1995, quando justamente o Carolina Panthers estrearia na Liga.

3) Peyton Hillis – RB do Cleveland Browns em 2010

hillis

Hillis, então um jogador recrutado como FB, com uma das últimas escolhas gerais do Draft de 2008 pelo Denver Broncos após carreira universitária por Arkansas, assinaria com o Cleveland Browns apenas para assombrar o cenário da NFL em 2010. Em uma ótima temporada, ele compilou 1117 jardas terrestres juntamente com 11 TDs terrestres, em que foi o ponto central do ataque do Browns naquela campanha frente as indefinições na posição de QB, que não impediram o ótimo desempenho do então desconhecido FB transformado em RB. Porém, ao final daquela temporada, Hillis exigiu um novo contrato que não foi dado pelo Browns, e o RB jamais conseguiu repetir o desempenho de 2010. Com passagens por Chiefs, Buccanners e Giants, jamais passou das 600 jardas terrestres durante uma temporada. É conhecido por ser o precursor da “maldição do Madden”, uma história que, atletas eleitos por votação para ser a capa do jogo anual de NFL para videogames sofrem esta espécie de maldição, em que nunca conseguem repetir tal desempenho nas temporadas posteriores. Decidiu se aposentar silenciosamente em 2015 por orientação dos médicos, temendo traumas cerebrais no futuro para um atleta da posição que naturalmente é uma das mais exigidas da NFL, em que também declarou que não se sentia mais atraído para jogar.

2) Michael Clayton – WR do Tampa Bay Buccanners em 2004

tampa

Um dos melhores WRs da história da tradicional universidade de LSU, Clayton foi recrutado por Tampa Bay na primeira rodada do Draft de 2004, em que se esperava dele um desempenho de um legítimo WR #1, que carregasse um ataque aéreo por diversos anos, e a julgar pela temporada de calouro, a franquia parecia ter encontrado este tipo de jogador. Como calouro, Clayton foi um dos melhores recebedores de sua conferência, compilando 80 recepções para 1193 jardas e 8 TDs, deixando assim uma grande expectativa que este seria um dos grandes recebedores da NFL para o futuro, mas nada comparado com o que viria nos anos posteriores. Extremamente indisciplinado fora de campo, Clayton se envolveu em algumas polêmicas durante a intertemporada que parecerem afetar sua mentalidade e motivação para o jogo, afinal de contas, ele nunca mais foi o mesmo jogador de sua temporada de estreia. Após ser dispensado do Bucs em 2010, ainda assinaria com o Omaha Nighthawks, da UFL antes de outra breve passagem pelo New York Giants, também sem nenhuma efetividade.

1) Nick Foles – QB do Philadelphia Eagles em 2013

foles

Finalmente, Foles é o grande fenômeno de uma temporada da história da NFL. O QB, vindo da universidade de Arizona, será para sempre associado com dois números emblemáticos para ele: 27 e 2. Estes números representam a proporção de TDs e interceptações lançadas durante a temporada de 2013, a primeira do HC Chip Kelly com o Eagles. Após vencer a titularidade em disputa com o veterano QB Michael Vick, Foles seria eleito para o Pro Bowl (onde venceria o prêmio de MVP da partida) e guiaria o Philadelphia Eagles ao primeiro título da NFC Leste após três anos, tudo isso em uma temporada que coroou seu desempenho individual contra o Oakland Raiders, em que simplesmente lançou 7 passes para TD no jogo realizado na California, que lhe renderam o rating máximo possível de 158.3, graças ao fato de ter tido mais passes para TDs que incompletos naquela tarde. Após este desempenho fantástico, Foles rapidamente voltando a ser um QB mediano no cenário da NFL, tendo uma proporção de 10 TDs e 8 interceptações na temporada seguinte, antes de ser colocado na lista dos machucados. Após ser trocado para o Rams em 2015 em negócio que envolveu a ida do QB Sam Bradford para o Eagles, Foles não foi capaz de dar o dinamismo necessário para o ataque do time, que já tinha no calouro RB Todd Gurley a figura central do ataque, que mesmo assim não foi suficiente para que Foles continuasse sua evolução na carreira, mas pelo contrário, pois estatisticamente de acordo com um site especializado, foi o pior QB da NFL durante aquela campanha. Atualmente no Kansas City Chiefs, é reserva do QB Alex Smith e até atuou por boa parte de um jogo nesta temporada, na vitória contra o Indianapolis Colts, em que substituiu o QB Alex Smith, que saiu do jogo com uma concussão.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook.

Postagens Relacionadas









Paulo César é o setorista da NFC LESTE. Analisa Giants, Cowboys, Redskins e Eagles às terças e quintas aqui no site. No projeto setoristas, falamos dos 32 times a cada duas semanas! Siga-o no Twitter para acompanhar mais da cobertura dessa divisão e debater sobre as matérias: @PcesarPJunior