quinta-feira, 6 de julho de 2017

Compartilhe

Sempre que fala-se sobre defesas, o assunto 4-3 ou 3-4 aparece de uma forma ou de outra. E ele é cada vez menos importante como sistema se compararmos com a filosofia de Gaps que pode ser adotada em cada. Por isso que a 4-3 under abordada aqui vai além do posicionamento do front seven para tratar também de como ela ataca os Gaps e como Pete Carroll tem sua forma muito particular de controle de Gaps com a 4-3 under. Primeiro trataremos das infos e conceitos básicos dessa formação para, em seguida, entrar em detalhes nos ajustes feitos pelo atual treinador do Seattle Seahawks.

Quer ter acesso a longas análises táticas em vídeos exclusivos e dezenas de outros benefícios? Se torne um assinante Liga dos 32.

É importante para completo entendimento desse texto o conhecimento básico de Gaps e Techniques que você encontra aqui (parte final da matéria) Irei explicar um ponto ou outro, mas é muito útil ler o referido post linkado para melhor compreensão.

4-3 under significa que a defesa terá quatro jogadores de linha defensiva, três linebackers e 4 defensive backs atrás. Informação importante: “Closed side” nesse texto tem o mesmo significado que “strong side” que é o lado em que o Tight End está. “Open side” é igual a “weak side”, lado onde não existe um Tight End posicionado. A diferença entre a 4-3 under e a 4-3 over – que é o posicionamento mais padrão – é que na “under” os jogadores do “weak side” da linha defensiva se alinham mais afastados ou abertos em relação ao “strong side” e o strong side linebacker (SAM) fica posicionado em frente ao tight end ou bem próximo a ele na linha de scrimmage. O Nose Tackle se posiciona fazendo “sombra” no Center, mais para o lado do strong side. Já o Defenive Tackle 3-technique se alinha mais para fora em relação ao strong side. Isso ficará bem claro na imagem que usaremos para demonstrar onde cada um fica no campo.

Leia Mais: Índice completo com todos os posts da Série Tática

Perceba também que, diferente da 4-3 padrão (over), na 4-3 under a linha defensiva é normalmente composta por um Defensive Tackle, um Nose Tackle e dois Defensive Ends e não por dois Defensive Tackles e dois Defensive Ends como estamos acostumados.

O grande objetivo de uma 4-3 under é ser agressiva não só por adiantar um LB na linha de scrimmage e reposicionar sua linha defensiva de acordo com o strong side e o TE, mas também por ser uma defesa prioritariamente 1-Gap, ou seja, ela sempre procura deixar cada espaço entre os atletas da linha ofensiva (Gap) como responsabilidade de um defensor. Existem defesas 1-Gap ou 2-Gap e é essa uma das grandes diferenças de filosofia entre coordenadores defensivos, hoje até mais relevante que ser 4-3 ou 3-4, por exemplo. E a 4-3 under costumava ser puramente 1-Gap.

A vantagem de ser 1-Gap é clara, pois nesse tipo de defesa o atleta não precisa analisar muita coisa, fazer leituras, tentar localizar o running back, nada disso. Ele tem um Gap para atacar e, sendo assim, logo após o snap ele vai com tudo nele sem pensar duas vezes. Já a defesa que tem como filosofia ser 2-Gap se beneficia em termos matemáticos – pelo menos em tese – tendo em vista que um jogador ocupa dois Gaps ao mesmo tempo. De forma que com quatro jogadores 8 gaps são ocupados, enquanto que na defesa 1-Gap seriam necessários oito defensores para isso.

O problema na 2-Gap é que ninguém ocupa dois espaços ao mesmo tempo – o jogador vai ter que atacar o bloqueador e não o buraco entre eles. Dominando o bloqueador, controla-se os dois espaços ao seu lado. Para isso, o time vai precisar de jogadores mais pesados e de muito talento. O ponto negativo é achar gente capaz de ser dominante em 2-Gap e continuar sendo agressiva para chegar no backfield, pois a filosofia 2-Gap faz o jogador pensar. O RB vem por um lado ou por outro? Qualquer hesitação é motivo para redução na agressividade.

Observe na imagem acima tudo o que foi falado sobre o alinhamento da defesa 4-3 under. O NT mais voltado para o closed side, o DT mais distante e aberto para a outra ponta em 3-technique (3T na imagem). Com isso, o B-Gap do strong side fica sob responsabilidade do MIKE linebacker como vemos na figura e o A-Gap do weak side será vigiado pelo WILL linebacker.

Uma das grandes dificuldades em ser 1-Gap é que os linebackers precisam auxiliar a linha defensiva nesse trabalho, pois só a linha não é suficiente para atacar todos os Gaps nesse esquema. Assim, eles ficam mais suscetíveis a serem controlados pelo quarterback em jogadas como o play action por estarem preocupados demais com seu Gap em caso de jogada terrestre.

E é aí que entra o ajuste de Pete Carroll, pois para a sua defesa ele pede que um ou dois jogadores de linha defensiva controlem 2 Gaps cada. Com isso, o treinador busca reunir o que tem de mais positivo nos dois modelos de atacar Gaps, o 1-Gap e o 2-Gap. Os defensores que ficam livres de responsabilidade sobre algum Gap podem ler com mais liberdade o QB e ficar na cobertura de um passe ou mesmo auxiliar um companheiro em um Gap específico contra uma jogada terrestre. Liberdade! Contar com isso contra times que sabem usar a Read Option ou que fazem corridas em Outside Zone Blocking, por exemplo, é fundamental. Em tempos de Run/Pass Option, ter atletas do front seven com essa liberdade e sem a preocupação com Gaps antes mesmo do snap diz muito sobre a modernização dos esquemas defensivos.

Fica bem claro na imagem que usando o LE e o NT com obrigações em 2 Gaps cada, o WILL e MIKE linebackers vão ficar, nesse caso, com mais liberdade para fazer jogadas decisivas com base em seus instintos lendo o quarterback e o desenvolvimento daquela chamada específica. Isso dá ao time mais condições até mesmo de ser mais criativo no seu playbook no aspecto da cobertura aérea e seus disfarces, podendo mexer no alinhamento dos seus linebackers com mais tranquilidade.

No vídeo, temos uma variação que Carroll gosta de usar. O LE (Defensive End pelo lado esquerdo da defesa) nessa situação está como um jogador 1-Gap. O único 2-Gap é o Nose Tackle, mas como existem apenas 5 homens na linha de frente do Chargers (sem um TE alinhado ao lado da linha ofensiva), isso é suficiente para liberar os linebackers mais atrás – destacados em azul e vermelho. O jogador que atua no Gap onde estaria o típico RE (DE pelo lado direito da defesa) está em pé e mais aberto, voltado para a função prioritária de pass rusher. Essa é apenas uma das variações possíveis dentro daquilo que Pete Carroll gosta de fazer com o seu front seven 4-3 under.

Misturar as filosofias 1-Gap e 2-Gap dentro de uma mesma defesa é fazê-la um híbrido que conta com aquilo de melhor que cada uma dessas mentalidades pode oferecer e faz com que a defesa vire menos vítima daquilo que o ataque possa apresentar. Com a defesa 4-3 Under 1-Gap/2-Gap, Pete Carroll mostrou que pode ditar o jogo para o adversário e se tornou uma das mentes defensivas a quebrar o padrão de que sempre o ataque age e a defesa reage.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui

Compartilhe

Comments are closed.