quinta-feira, 4 de Janeiro de 2018

Compartilhe

O Cleveland Browns fez história na temporada 2017 da NFL e não foi de maneira positiva. A equipe se juntou ao Detroit Lions de 2008 como as únicas equipes a conseguirem a campanha de 0-16 na liga. O feito, que não havia sido alcançado já no ano anterior por muito pouco (1-15), apenas coroou um processo de administração de talento horrível que vem sendo feito pela franquia.

Sashi Brown, general manager da equipe demitido em dezembro, fora contratado junto ao executivo do baseball Paul DePodesta para implementar uma cultura de moneyball em versão futebol americano e fez algumas ótimas coisas, especialmente a genial troca por Brock Osweiler que rendeu aos Browns a escolha de segunda rodada do Houston Texans no draft de 2018 para simplesmente engolir o salário do quarterback. Juntar seleções no recrutamento, aliás, foi a filosofia da equipe de Cleveland durante o tempo de Sashi no cargo mais importante das operações administrativas de uma franquia.

Infelizmente, Sashi Brown se esqueceu de um detalhe básico do futebol americano: para vencer nesse esporte, especialmente na NFL, é necessário ter um quarterback de verdade. Ele se recusou a draftar Jared Goff ou Carson Wentz em 2016, passou também por Mitch Trubisky, Patrick Mahomes e DeShaun Watson em 2017. Com o ainda muito cru DeShone Kizer de titular, não houve muita esperança para Cleveland.

A demissão de Brown aconteceu principalmente por esse erro, com John Dorsey contratado para substituí-lo e anunciando desde o primeiro dia que sua principal missão é finalmente trazer o quarterback do futuro para a franquia. Assim, Renan Douglas (@renandouglas23) pergunta: qual a melhor forma para o Browns encontrar seu signal caller? Via free agency, draft ou outra opção? Essa é a questão da coluna dessa semana. Para ter a sua respondida aqui na próxima quinta-feira, envie-a no Twitter para @massaricarlos!

Faz muito tempo que o Cleveland Browns não tem um franchise quarterback. Pode-se dizer que Bernie Kosar foi o último, ocupando a função entre 1985 e 1993. Muitas tentativas foram feitas desde então, seja via draft (Tim Couch, primeira escolha geral em 1999, Brady Quinn, vigésima segunda em 2007, Brandon Weeden, vigésima segunda em 2012 e Johnny Manziel, vigésima segunda em 2014, foram grandes busts) ou visando reviver a carreira de veteranos como Robert Griffin III,  Jason Campbell ou Brian Hoyer.

O fato é que todos os atletas que passam por Cleveland para ocuparem a posição de quarterback invariavelmente fracassam. A franquia é um cemitério de signal callers, um lugar maldito para os atletas mais importantes do futebol americano. E isso faz com que muitos não queiram ir para lá.

LEIA MAIS: O sucesso da classe de 2017 de running backs pode restaurar o prestígio da posição?

Depois de passar muitos anos tentando, o Cleveland Browns está no fundo do poço. Sim, 1-31 em duas temporadas é um fato quase impossível de ser superado mesmo que haja extrema incompetência de qualquer franquia. Para poder escalar seu caminho para ser um time normal, não há mais tempo a perder: é necessário encontrar o quarterback do futuro. Vamos avaliar quais são as opções:

1. Free Agency

A lista de quarterbacks free agents para 2018 não é apetitosa. Existe Kirk Cousins sim, mas além dele não sobra nada que seja comprovadamente superior a DeShone Kizer (nota: desconsideramos Drew Brees, que em 99,999% dos cenários renovará com New Orleans).

O Browns tem 112 milhões de espaço salarial para a próxima temporada e isso seria mais que suficiente para pagar o que Cousins desejaria. É evidente que o primeiro plano de John Dorsey deve ser fazer o possível para que o atleta do Washington Redskins assine com Cleveland. Só que eu imagino que nem todo o dinheiro do mundo seja suficiente.

Como já dissemos, Cleveland é um cemitério de quarterbacks. E todos os times que precisam de alguém para a posição irão batalhar com unhas e dentes pelos serviços de Cousins nessa free agency. Assim, por que ele assinaria com o Browns, sendo também disputado por franquias muito mais vitoriosas e prontas para tentarem algo em 2018? Denver, Arizona, Buffalo, o próprio Washington, talvez até mesmo Pittsburgh caso os rumores de aposentaria de Ben Roethlisberger se confirmem, seriam opções muito mais atraentes para o signal caller.

Por isso, eu não acredito que as chances de Kirk Cousins em Cleveland sejam das maiores. Quais são as opções restantes? Case Keenum, que pode ser um one-year wonder rendendo muito em um sistema de Minnesota. Sam Bradford, o quarterback mais propenso a lesões em toda a NFL. Teddy Bridgewater, uma incógnita depois da grave contusão que quase encerrou sua carreira.

É possível que qualquer um dos três atuais atletas do Vikings tenha ainda anos de bom futebol americano pela frente e possa comandar um ressurgimento do Browns. Porém, os três são incógnitas. E como dito anteriormente, a franquia de Cleveland está no fundo do poço. Não há mais tempo hábil para apostas.

A outra opção que vale ser discutida é AJ McCarron. Por muito pouco, ele não foi parar no Browns em 2017. Hue Jackson queria muito que o reserva de Andy Dalton mudasse de endereço em Ohio, mas o front office da franquia mais incompetente da NFL não enviou a documentação necessária para a troca a tempo. Provavelmente, no caso foi competência (técnicos de Cleveland suspeitam que Sashi Brown sabotou o negócio de propósito, apesar do ex-general manager negar), e não incompetência. O preço pago pelo atual atleta do Cincinnati Bengals era enorme em relação ao que ele já provou dentro de campo.

LEIA MAIS: Após três anos, como está o desenvolvimento de Jameis Winston e Marcus Mariota?

McCarron é um atleta com 119 passes lançados em quatro anos de carreira profissional. Ele mostrou promessa em alguns momentos, mas não vale as escolhas de segunda e terceira rodada que seriam enviadas por ele, nem mesmo um contrato milionário. Ainda precisa provar muita coisa para chegar nesse nível.

2. Troca

É difícil imaginar quais quarterbacks da NFL estarão disponíveis para troca nessa off-season. A possibilidade mais palpável é que Kansas City decida que é hora de dar a titularidade a Patrick Mahomes e negociar Alex Smith. Trata-se de um veterano competente, mas já na parte final de sua carreira. Tudo que o Cleveland Browns não quer é estar de volta ao calvário de procurar o quarterback do futuro daqui a duas ou três temporadas quando chegar a hora do atual Chiefs se aposentar. Ou seja, também não é um bom caminho.

3. Draft

Há o trauma de todas as tentativas nas últimas décadas terem resultado em busts. O trabalho do grupo de olheiros do Browns falhou quatro vezes desde 1999. Tim Couch nunca teve uma linha ofensiva, Brady Quinn não possuía o braço para atuar na NFL e muitos sabiam disso, Brandon Weeden e Johnny Manziel eram fracassos anunciados – o primeiro por já ter 28 anos na época do recrutamento e só ter experiência em um sistema extremamente precário no College, o segundo pelos problemas extra-campo.

A classe de quarterbacks de 2018 é especial. São pelo menos cinco jogadores com talento suficiente para serem escolhidos na primeira rodada, cada um com suas qualidades, talentos e problemas. Nenhum deles é um sucesso garantido como era Andrew Luck, por exemplo, mas nenhum é um bust anunciado como Weeden e Manziel.

LEIA MAIS: Por que a AFC West decepciona em 2017?

Josh Rosen, Sam Darnold, Lamar Jackson, Baker Mayfield e Josh Allen são os nomes da primeira prateleira. Cleveland, com a primeira e a quarta escolhas gerais, terá a primazia de pegar o seu preferido. O departamento de olheiros tem que trabalhar intensamente, os vídeos precisam ser analisados, entrevistas e workouts serão conduzidos de forma minuciosa com cada um deles. Quando abril chegar, é necessário que a franquia tenha plena convicção de sua escolha.

Rosen parece, no momento, ser o mais completo da lista, mas já declarou que não gostaria de ir para Cleveland. Darnold tem talento, mas sofreu muito com turnovers em 2017. Mayfield é o mais vitorioso dos cinco, com maior sucesso no College, só que chega a ser às vezes comparado com Johnny Manziel pelas questões extra-campo e também é baixo em relação ao que é considerado ideal quanto à altura de um quarterback profissional. Jackson sofre com o estigma do signal caller que demonstra mais talento correndo do que passando a bola. E Allen é o clássico atleta de universidade pequena, com muita aptidão física e pouca experiência.

Os rumores dizem que, se o draft fosse hoje, Cleveland selecionaria Josh Allen na primeira posição. Mas ainda há quatro meses para isso mudar e também pode ser só um sinal de fumaça ou notícia infundada.

Conclusão

Se eu fosse John Dorsey, tentaria oferecer a Kirk Cousins um contrato similar ou até maior do que os recebidos por Matthew Stafford e Derek Carr em 2017. Todavia, outros times farão o mesmo e dificilmente ele irá para Cleveland.

Assim, o melhor que a franquia pode fazer é fazer o melhor trabalho possível com seus olheiros e selecionar o prospecto que preferirem dentre os cinco principais nomes do draft. Um dia, a maldição precisa acabar.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe
  • THE GUNSLINGER

    A troca por Osweiler rendeu a escolha de segunda rodada dos Texans. A de primeira foi ganha na negociação pela posição no draft que permitiu a escolha do Watson.

  • Sergio Leopolski

    Eles deveriam draftar um QB e contratar o Alex Smith com um contrato de 3 anos, visando deixar o futuro QB como backup por 2 temporadas, semelhante ao que fizeram com Rodgers e o que o KC esta fazendo com Mahomes.

  • THE GUNSLINGER

    Isso só vai acontecer se KC realmente achar que Mahomes está pronto para assumir a titularidade no ano que vem.

  • Carlos Massari

    Obrigado pela correção! Já está arrumado no post.

  • Anderson M. Santos

    Acho que apesar da tentativa de mudanças no Browns, manter o Hue Jackson (que já tem nome de zueira) é um erro! Inadmissível manterem um cara com recorde 1-31 … Penso que o Kirk seria de fato a melhor opção e o QB pronto para jogar! Dinheiro tem, se ele aceitará jogar no cemitério de QBs aí é outra história! O que me intriga é porque que com tanto QB ruim na liga atualmente, como pode o Vikings conseguir manter 3 QBs no mínimo ok, e o (eu curto o jogo dele) Kaepernick sem jogar! Para mim ele seria uma baita opção! Não vi nada demais no Mayfield! E a bomba está na mão dos Browns os caras tem duas chances em 4 de escolher o QB da franquia, ou continuarem a fazer suas brownzices para não dizer “cagadas”. Abraço!

  • luiz lima

    pra mim só existem duas opcões no front office do browns:Josh rosen ou kirk cousins qualquer outro nome é invenção ou maluquice do GM

  • Allessandro De Luccianno Fanch

    Sam Bradford? Mesmo com lesões, parece para mim um cara tranquilo que poderia tirar o peso de quem for draftado.

  • Allessandro De Luccianno Fanch

    Problema de Cleveland é “técnicos”. O time tem bons nomes, que podem fazer muito pelo time. Não tem como ser tão ruim assim.

    Caminho é fazer uma dobradinha QB+RB na primeira rodada. E acho que se Rosen não quiser mesmo, deveriam pensar em descer no draft, talvez uma ou duas posições.

  • Allessandro De Luccianno Fanch

    Kaepernick não daria nada certo nesse time. Um Bradford ou Keenum poderia vir pra tirar o peso de quem for draftado. Cousin não vai querer os Brown, tem muito time que só precisa de um QB pra chegar longe na pós-temporada.

  • Anderson M. Santos

    Cousins é um baita QB, e sim! Sendo racional, nenhum QB que quer títulos, aceitaria hoje, jogar pelo Browns!

  • Anderson M. Santos

    Cousins não deve vir, Rosen já declarou não querer ir para Cleveland! Que fase dos Marrons!

  • luiz lima

    Rosen disse que não quer jogar em time bagunçado,quem disse que não queria jogar foi o darnold.Quanto ao cousins vai depender de quanto o browns esta disposto a pagar um enormidade por um qb muito bom junto com o imposto de time ruim.Com tudo isso eu tenho uma certeza um dos dois vai parar em cleveland.

  • THE GUNSLINGER

    Problema é aquele joelho dele…

  • Allessandro De Luccianno Fanch

    Eles podem gastar todo o salary cap no Cousin que ele não vai pra Cleveland. Ele tá jogando muito e tem muito time a um QB de se tornar um candidato a SB.

    Ir pros Browns agora iria significar perder, talvez, o ápice da sua carreira sem chances de virar campeão.

  • luiz lima

    ou ele pode ser o qb mais bem pago na nfl e salvar a franquia.Isso tudo é relativo mas o space cap do browns permitem eles torrar dinheiro no cousins e acho que ele iria por que o time não é ruim em tudo só falta um qb ali e com as escolhas de draft desse ano não tem como não melhorar.

  • Allessandro De Luccianno Fanch

    Não descartaria essa possibilidade. Mas não vejo isso acontecendo, a não ser que Cousin tenha alguma identificação com Cleveland.

    Browns precisam de planejamento de longo prazo. Não os vejo com chances de chegar em um SB em menos de cinco anos. E isso considerando que a partir de agora vão fazer um bom planejamento.

    Seria uma aposta muito grande para um QB bom que pode já no ano que vem ter chances de ser campeão ganhando muito dinheiro. Ainda mais, pensando que o projeto em Cleveland não dê certo pode afundar a carreira dele.

    Acho que o único caminho que eles têm é pegar um bom QB e RB com as primeiras escolhas do draft. Contratar um QB descente, como Bradford, e deixar o novato no banco por pelo menos uma temporada, ideal duas.