sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Compartilhe

Mesmo após uma campanha de 7-9 na temporada 2016, o Philadelphia Eagles era apontado por alguns analistas como um dos candidatos a ir ao Super Bowl LII. Um elenco jovem e com muito talento dos dois lados da bola só não havia feito melhor no ano anterior por causa de algumas perdas fundamentais – caiu muito de rendimento ofensivo após perder o grande right tackle Lane Johnson para uma suspensão, por exemplo.

Um ótimo draft trouxe mais alguns contribuidores e a free agency adicionou as peças que faltavam para gerar um elenco vencedor. Alshon Jeffery e Torrey Smith deram profundidade à posição de wide receiver, Chris Long veio para o pass rush, LeGarrette Blount assumiu como principal running back. O desenvolvimento de jovens como Carson Wentz e Nelson Agholor foi o ingrediente que deu a liga final à mistura e colocou o Eagles como uma das equipes mais fortes da NFL em 2017, culminando no primeiro Lombardi da franquia.

Assim como o Eagles de 2016, muitos times talentosos da NFL sofreram com lesões ou falta de peças em setores importantes e ficaram pelo meio do caminho em 2017. Assim, Dhyogo Moura (@dhyogomoura) pergunta: quais times podem repetir esse feito e surpreenderem na próxima temporada? Vamos tentar fazer uma análise prematura, visto que free agency e draft ainda podem mudar bastante esse panorama. Para ter seu questionamento respondido aqui na próxima quinta-feira, envie-o no Twitter para @massaricarlos!

LEIA MAIS: O que esperar do Colts de Frank Reich?

Para essa análise, vamos considerar apenas times que não conseguiram ir à pós-temporada em 2017 e nem venceram o Super Bowl recentemente (casos de Packers e Seahawks). Foram três os escolhidos:

Houston Texans

DeShaun Watson revigorou o ataque do Houston Texans e fez com que o time tivesse um promissor começo de temporada. A campanha de 3-4 não era espetacular em números, mas a tabela era muito complicada e o time dava sinais de que lutaria por algo. Após a lesão no joelho do quarterback calouro, porém, tudo degringolou: 1-8 daí em diante.

Vale lembrar que o Texans também perdeu a maior estrela da companhia em JJ Watt e outros nomes fundamentais de sua fortíssima defesa como Whitney Mercillus. Tudo o que sobrou foi lamento.

Para 2018, Houston acertou ao manter o head coach Bill O’Brien, que será capaz de continuar desenvolvendo Watson. Com a defesa recebendo suas estrelas de volta, pode ser um time acima da média tanto no ataque como na defesa. E ainda há draft e free agency para adicionar novas peças.

Oakland Raiders

De 12-4 a 6-10. Uma temporada que prometia muito para o Oakland Raiders acabou em pura decepção. A regressão de Derek Carr foi natural, causada pelas lesões ou pelo péssimo trabalho do ex-coordenador ofensivo Todd Downing? Por que nomes como Khalil Mack e Bruce Irvin não brilharam o suficiente na defesa? Um elenco que é  repleto de talento não fez nada além de atuar muito abaixo do esperado por todo o ano de 2017.

LEIA MAIS: Tom Brady apresentou algum declínio em 2017?

A suposição é que o problema do Raiders foi, acima de tudo, na comissão técnica. Ken Norton Jr, então coordenador de uma defesa historicamente ruim, foi demitido e a unidade passou a figurar entre as melhores da liga nas últimas semanas sob John Pagano. E Todd Downing destruiu um ataque que qualquer criança de cinco anos poderia fazer funcionar muito bem.

É verdade que a defesa não tem nomes talentosos o suficiente para ser de elite (apesar de ter obrigação de ser melhor do que acontecia sob Norton), mas o draft e a free agency podem ajudar. O ataque, porém, é um dos mais talentosos da NFL – Carr deve se recuperar, os wide receivers são de alta qualidade e a linha ofensiva é excepcional. Tudo isso agora sob a batuta de Jon Gruden, considerado um gênio ofensivo e que deve estar salivando para colocar todos os seus brinquedos em ação.

Los Angeles Chargers

O Los Angeles Chargers teria ido aos playoffs se o kicker coreano Younghue Koo não tivesse espalhado tanto a farofa nas primeiras semanas. Aliás, a cada ano essa franquia encontra novas formas de se auto-destruir – erros no special teams, bolas perdidas nos últimos segundos, viradas improváveis. E lesões. Muitas, muitas lesões.

LEIA MAIS: Quem são os novos head coaches da NFL e o que eles trazem às suas equipes?

Em 2017, vimos todo o potencial que esse elenco tem quando saudável. Joey Bosa e Melvin Ingram formam uma dupla aterrorizante de pass rushers, a secundária é construída com excelência e tem Casey Hayward vivendo um momento espetacular na carreira, a conexão entre Philip Rivers e Keenan Allen é quase imparável. Talvez, a maior necessidade do Chargers seja que as estrelas se alinhem de maneira favorável.

Preencher as poucas lacunas restantes será importante na offseason. E adquirir mais talento para brilhar junto com tudo o que já existe. Só que nada disso adianta se os kickers continuarem errando field goals decisivos, as lesões continuarem aparecendo em profusão e outras derrotas surjam de formas esquisitas.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

1 comentário

Leave A Reply