Performance de Tyrod Taylor na pré-temporada preocupa o Buffalo Bills

6 de setembro de 2017
Tags: bills, carlos massari, Notícias do Dia,

O Buffalo Bills é um time construído para correr com a bola. Tem LeSean McCoy, um dos melhores running backs da NFL, tem uma linha ofensiva composta por atletas como Richie Incognito, especializados em abrir buracos para os corredores. Além disso, buscou na offseason fullbacks com capacidades acima da média de bloqueio e seu quarterback, Tyrod Taylor, é uma ameaça pelo chão. Só que no futebol americano moderno é praticamente impossível vencer sem lançar bem a bola. E esse pode ser um problema sério para a franquia.

Taylor vem de um ano bastante mediano: ficou ranqueado em décimo oitavo dentre trinta quarterbacks elegíveis em rating. Lançou apenas seis interceptações, mas seus números de jardas por tentativa (6,93) e porcentagem de passes completos (61,7) foram baixos. Você pode argumentar que ele não teve muita ajuda do corpo de recebedores, o que é verdade. E por isso mais um voto de confiança foi dado a ele.

Mas na pré-temporada de 2017, Taylor decepcionou demais. Atuou em três partidas, completando 5 de 8 passes para 48 jardas contra o Minnesota Vikings, 8 de 18 para 53 jardas e duas interceptações diante do Philadelphia Eagles e, por fim, 1 de 3 lançamentos para 1 jarda antes de sofrer uma concussão e deixar o campo no embate com o Baltimore Ravens. Tudo isso com supostamente melhorias entre os wide receivers.

A linha ofensiva não colaborou e permitiu constante pressão contra o quarterback, mas esses números ainda são muito abaixo do aceitável para o comandante de um ataque da NFL. Há muitas possíveis respostas sobre o que pode estar errado com Taylor, e talvez ele simplesmente não esteja preparado para lidar com o pass rush constantemente na sua cara. Como alguém que tem o instinto de correr, falta presença de pocket e paciência para o signal caller.

O problema é que se Taylor não corresponder pelo ar, o jogo terrestre também pode sofrer. Os times podem congestionar o box e diminuir os possíveis espaços para McCoy correr, colocando mais e mais a bola nas mãos do quarterback. O plano ofensivo de Sean McDermott e Rick Dennison só funcionará se o ex-Ravens conseguir novamente ser pelo menos mediano.

Devido à concussão sofrida diante do Ravens, Taylor era dúvida para a estreia na temporada regular domingo contra o New York Jets. Mesmo assim, as linhas das casas esportivas sequer foram alteradas, o que dá a entender que, segundo os bookmakers, não há muita diferença entre ele e o calouro Nathan Peterman.

Vale lembrar que o ponto mais positivo do rival de domingo é justamente a linha defensiva. Taylor precisará atuar bem mais uma vez sofrendo muita pressão. Será um bom teste para descobrir se ele pode dar esperanças reais de uma campanha boa para o Bills em 2017.

Postagens Relacionadas









Carlos Massari é o setorista da AFC LESTE. Analisa Patriots, Jets, Bills e Dolphins às quartas e sextas aqui no site. No projeto setoristas, falamos dos 32 times a cada duas semanas! Siga-o no Twitter para acompanhar mais da cobertura dessa divisão e debater sobre as matérias: @massaricarlos