quinta-feira, 18 de Maio de 2017

Compartilhe

A NFL viveu recentemente uma mudança de paradigma, com a introdução cada vez maior do ataque aéreo sobre o terrestre, em que a figura do RB foi com isso perdendo muito valor, a ponto de termos anos recentes no Draft que simplesmente não houve um RB recrutado na primeira rodada, o que é preocupante para a posição à longo prazo. Contudo (e de forma irônica), times que venceram o Super Bowl recentemente contavam sim com grandes QBs, mas também se notabilizaram por equilibrar as ações ofensivas com um jogo corrido ao menos sólido para contrastar com o impiedoso jogo aéreo e assim manter a defesa adversária honesta.

O Patriots de 2016 e 2014, Seahawks de 2013 e assim por diante foram times que conseguiram criar uma dúvida na cabeça dos defensores sobre por onde viria o próximo avanço, e isso foi crucial para suas conquistas recentes, ou seja, times que correm mal com a bola raramente encontraram sucesso na pós-temporada, salvo raras exceções. Muito se deve também ao fato dos playoffs serem disputados no rigoroso inverno norte-americano, somado à situação em que muitos times contam com estádios abertos (com a temperatura ambiente) fica muito mais viável correr com a bola do que esperar o QB lançar passes de 40 jardas com neve e temperaturas abaixo de zero.

Dito isso, o New York Giants se encontra em uma situação no mínimo curiosa: aquele que praticamente todos acreditam ser seu principal Running Back para a próxima temporada, Paul Perkins, vem de campanha em que simplesmente não anotou um Touchdown sequer – a sua primeira na NFL, após ser recrutado na 5ª rodada do Draft de 2016, oriundo da universidade de UCLA, na Califórnia. Ao que tudo indica, será a primeira vez em muitos anos que o QB Eli Manning não terá um corredor físico e impiedoso, que converterá uma terceira descida para duas jardas apenas abaixando a cabeça e chifrando a defesa adversária para trás. Em vez isso, o time utilizará um comitê de RBs, cada um com suas próprias características: será uma divisão entre Shane Vereen, Orleans Darkwa ou mesmo o calouro Wayne Gallman, que ao que tudo indica brigará com Darkwa por uma vaga no elenco de 53 jogadores caso o time não opte por levar quatro RBs para a abertura da temporada, mas o tema desta coluna é mesmo Perkins.

Paul Perkins era tido com um projeto experimental no último Draft, pois grande parte de sua produção jogando por UCLA era tida como produto do sistema aplicado pelo HC Jim Mora, e não necessariamente pela vantagem física e técnica de seu estilo de jogo, daí o fato de ter sido selecionado já na parte final do Draft. Contudo, problemas na posição de RB do Giants ao longo da temporada fizeram Perkins ter cada vez mais tempo de jogo mesmo como calouro, e seus números ao final dela foram razoáveis se comparados ao pouco tempo de jogo: foram 456 jardas corridas e outras 162 oriundas de passes do QB Eli Manning. Basicamente, ao final da temporada, ele roubou a titularidade de Rashad Jennings, que não retornará à equipe na temporada que se aproxima. Como citado, ele não anotou nenhum TD é verdade, mas isso se deve ao fato de que era sempre preterido por Jennings em situações curtas de conversão ou mesmo dentro da Red Zone, as últimas vinte jardas do campo, devido às características do agora ex-jogador do Giants.

Tendo em mente apenas os RBs que estão no elenco principal nesta altura, Perkins é o único que combina todos os atributos necessários para brilhar na figura de principal RB do ataque comandado pelo Head Coach Ben McAdoo. Ele tem uma tremenda agilidade e explosão logo quando toca a bola, e a habilidade de cortar e rapidamente mudar de direção o permite se adaptar simultaneamente aos espaçoes que a linha ofensiva abre após o snap e atacá-los, o que de certa forma pode ser encarado como um “improviso” na hora de correr, o que nesta situação é uma boa coisa. Além disso, ele é um exímio recebedor fora do Backfield, sendo uma arma perigosa recebendo passes curtos e transformando-os em grandes ganhos para sua equipe, que de certa forma diminiu o valor de Shane Vereen na equipe, contratado do New England Patriots justamente por conta destas características, mas que ainda não demonstrou todo seu potencial após algumas temporadas com a equipe.

O que pesa contra o segundo anista é o fato de ele não ter a altura ideal de um corredor de impacto dentro da NFL. Ele é listado no site oficial da equipe com 1.78m, uma altura considerada mediana para os moldes da posição mesmo pesando 95 kg, aí sim uma característica perto daquela que os times almejam ter em um corredor. Além de que ele não é considerado um jogador que vencerá os defensores pela imposição física, mas sim pela velocidade e sem Rashad Jennings, o time poderá estar em apuros em situações de gol ou mesmo conversões curtas de terceiras descidas.

Perkins parece ser a chave para o bom desempenho do ataque do Giants em 2015. O time que se notabilizou recentemente pelo péssimo controle do relógio nos últimos anos do ex-HC Tom Coughlin, muito por conta deste jogo corrido ineficiente,  espera que Perkins dê o mínimo de equilíbrio necessário para que o fortíssimo ataque aéreo floresça, com Odell Beckham Jr, Brandon Marshall, Sterling Sheppard e o calouro TE Evan Engram, recrutado na primeira rodada do último Draft e que deverá contribuir de forma imediata no Giants na busca pelo título da NFC Leste e por consequencia uma caminhada segura na pós-temporada.

Um mal desempenho de Perkins durante a temporada pode significar a bola com muito mais frequencia nas mãos de nas mãos de Manning e o ataque aéreo, extirpando qualquer equilíbrio nas ações ofensivas e facilitando demais o trabalho dos coordenadores defensivos adversários, afinal, é muito mais fácil anular as peças de um time unidimensional, por mais vastas que sejam as peças, do que de uma equipe que conquiste território por ar e por terra também. O ex-jogador de UCLA é de longe o mais talentoso dentro dos jogadores da posição, então o cargo de titular na abertura da temporada não será dele somente caso aconteça alguma catástrofe até o mês de Setembro, o que parece improvável, concorda?

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.