Os melhores jogadores da temporada

4 de janeiro de 2017
Tags: dentro do huddle, felipe laurence,

dentro do huddle

Pois é, chegamos ao final de mais uma temporada. Depois de 256 jogos disputados, restam 12 times que vão disputar entre si para ver quem levará o título de campeão da NFL lá no Super Bowl LI. Enquanto a grande final não chega, um dos pontos que são discutidos à exaustão no mês de janeiro são as premiações, que será o MVP da temporada e coisas do gênero. Como não poderia deixar de ser, essa temporada teve grandes jogadores fazendo atuações primorosas e em todas as categorias dá pra argumentar sobre um ou outro candidato a levar um desses troféus.

Na coluna dessa semana vou escolher os melhores do ano e, para quem estiver curioso, aqui está a minha coluna com as minhas previsões lá em agosto (acertei oito dos 12 times participantes dos playoffs) e essa é a coluna que fiz dos melhores da primeira metade da temporada. Se vou acertar ou não é o menos importante, o que quero passar hoje é como esses jogadores foram bem e são merecedores desses prêmios.

MVP (Most Valuable Player): QB Matt Ryan (Atlanta Falcons)

Matt Ryan

Matt Ryan é o MVP dessa temporada. Ponto. Não há o que discutir. O prêmio de MVP historicamente vai pro melhor QB na temporada e Ryan cumpre todos os quesitos, terminando a temporada na liderança da enorme maioria das estatísticas (rating, DYAR, QBR, porcentagem de TDs por passe tentado, jardas totais por passe e jardas aéreas por passe) enfrentando a tabela mais difícil da NFL em DVOA e teve pelo menos 240 jardas de passe e 1 TD em todos os jogos da temporada. Ele tem números superiores ao de Tom Brady (que já fica em desvantagem por não ter jogado quatro partidas) e a sua produção é equivalente à de Aaron Rodgers (que também tá em desvantagem por ter tido um começo de temporada ruim) nessa sequência de seis vitórias que o Packers teve (e que o Falcons foi 5-1 no mesmo período). Por fim, o rating do Matt Ryan nas derrotas de Atlanta nessa temporada foi maior que o rating geral do Derek Carr

Ezekiel Elliott também foi considerado candidato a MVP da temporada, mas acho bem complicado porque além de ser novato (o único jogador a ganhar MVP no seu primeiro ano foi Jim Brown lá em 1957), o prêmio que Adrian Peterson levou em 2012 meio que colocou a base que pra um RB ser considerado tem que ter pelo menos 2.000 jardas corridas e média de 130 jardas por jogo, o que Zeke não alcançou nessa temporada.

Agora, se ele vai realmente levar o prêmio eu já não sei porque quem vota são jornalistas e jornalistas adoram suas “narrativas” para poder escrever aquelas crônicas cheias de garbo que geram cliques. Se isso for levado em conta, a temporada do Ryan é a mais sem sal porque ele foi de uma eficiência suíça sem nenhuma grande controvérsia enquanto Tom Brady teve a sua “vingança” da suspensão do Deflategate e Aaron Rodgers teve o seu discurso do “run the table” depois de um começo de temporada ruim. Como disse no Twitter, as chances de tirarem o prêmio do Ryan em favor das histórias mais “emocionantes” são reais e seriam de uma injustiça medonha. Vamos esperar para que a razão tenha caído sob quem vota.

Offensive Player of the Year: RB David Johnson (Arizona Cardinals)

David Johnson

Aqui o que vale é produção ofensiva, volume total na temporada propriamente dito. Não raras vezes o jogador que recebe o prêmio de MVP também recebe esse, mas acredito que nesse ano será diferente porque apesar de Matt Ryan ter sido o melhor quarterback da NFL, outros jogadores tiveram uma produção ofensiva de mais destaque. Eu fico com David Johnson, que em seu segundo ano na liga já se tornou o principal jogador do ataque do Arizona Cardinals e terminou a temporada liderando a NFL em jardas totais (2.118), jardas de recepção por um RB (879), primeiras descidas (114), pontos (122) e TDs totais (20) para jogadores de ataque.

Essa produção do Johnson é mais impressionante que os feitos do Ezekiel Elliott, que conta com uma linha ofensiva muito melhor que a zona que foi a do Cardinals nessa temporada. Os números também são melhores que os de Le’Veon Bell, que apesar de terminar com uma média melhor, perdeu jogos e tem nove TDs a menos no ano. Talvez Drew Brees possa ser um vencedor surpresa aqui por conta de mais uma temporada com 5.000 jardas de passe, 70% de passes completos e 37 TDs, mas o que pesa contra ele são as 15 INTs. O fato de David Johnson ter sido a principal “arma” de ataque dessa temporada da NFL é o fiel da balança ao meu ver e por isso ele leva o prêmio.

Defensive Player of the Year: S Landon Collins (New York Giants)

Landon Collins

Essa é uma votação que eu acredito que será bastante aberta, com vários jogadores recebendo votos e a maioria sendo merecida. Até novembro, tudo indicava que o prêmio estava entre o LB Von Miller (DEN) e o DE Khalil Mack (OAK) pois vinham fazendo temporadas primorosas. O grande problema é que a produção de ambos caiu bastante nessa reta final de temporada, o que na minha avaliação abala as chances deles de serem escolhidos como o melhor jogador defensivo do ano já que a atuação deles é medida principalmente pela produção de sacks.

O mesmo não pode ser dito sobre o Landon Collins, que foi onipresente durante a temporada (só não participou de cinco snaps) e teve uma evolução de produção absurda tanto no jogo aéreo quanto no jogo corrido se comparada à sua primeira temporada na NFL. Seus números são comparáveis aos últimos três DBs (Bob Sanders, Charles Woodson e Troy Polamalu) que levaram esse prêmio e ele também se tornou o primeiro jogador na história da NFL com pelo menos 100 tackles, dois sacks, cinco interceptações e 12 passes defendidos em uma única temporada.  Por conta disso tudo ele é o Defensive Player of the Year.

Offensive Rookie of the Year: RB Ezekiel Elliott (Dallas Cowboys)

Ezekiel Elliott

Essa foi uma temporada aconteceu algo raro: Ezekiel Elliott entrou na temporada como o franco favorito para levar esse prêmio de calouro ofensivo e no fim das contas é isso mesmo que vai acontecer. Mesmo com outros novatos tendo boa produção como o Dak Prescott, Tyreek Hill, Michael Thomas e Jordan Howard (sem contar os OLs como Jack Conklin), o volume de jogo que Zeke mostrou no ano não deixa dúvidas que ele é o vencedor desse prêmio. O argumento contrário a ele ganhar é que muito da produção foi por conta da linha ofensiva do Cowboys, o que é uma falácia: ele tem quase 1000 jardas ofensiva depois do primeiro contato com um jogador de defesa e só isso o deixaria no Top 13 de jardas corridas na temporada.

Mais do que isso, Zeke ficou a menos de 200 jardas do recorde histórico pertencente a Eric Dickerson de jardas corridas por um novato lá de 1983. Também acabou liderando a NFL em jardas corridas (1.631), média de jardas corridas por jogo (108,7), primeiras descidas corridas (91) e DYAR (340). Não há dúvidas que toda essa produção é uma das principais razões do Cowboys estar onde está e Darren McFadden ou Alfred Morris não conseguiriam repetir esses números mesmo com a potente linha ofensiva do time.

Defensive Rookie of the Year: DE Joey Bosa (San Diego Chargers)

Joey Bosa

Quem esperava que estaríamos aqui dando esse prêmio pro Bosa após ele perder o Training Camp inteiro do Chargers por conta de uma disputa contratual? Sem contar os quatro primeiros jogos da temporada que ele ficou fora para adquirir forma física e ficar por dentro do que era esperado dele. Mesmo assim, no seu jogo de estreia já conseguiu dois sacks e desde então se tornou uma força na linha defensiva de San Diego. Sua presença deu um upgrade geral na defesa contra o passe, que passou da 28ª colocada em 2015 para 9º em DVOA mesmo sem jogadores importantes como Eric Weddle.

Sua produção em campo também foi histórica mesmo com quatro jogos a menos de outros candidatos ao prêmio como Jalen Ramsay e Deion Jones: foram 60 pressões em cima do ataque adversário, a melhor marca desde 2006 para jogadores defensivos nos seus primeiros 12 jogos na carreira. Os 11 sacks que ele conseguiu também é a 2ª melhor marca da NFL nesse período para jogadores novatos.

Comeback Player of the Year: WR Jordy Nelson (Green Bay Packers)

Jordy-Nelson packers top 10

Historicamente esse é o prêmio que sempre conta com mais jogadores indicados pela simples razão que todo ano há uma miríade de jogadores que voltam de contusão ou baixo desempenho na temporada anterior e acabam se destacando. Acaba vencendo o jogador com a história de superação mais “legal” na visão de quem vota. Só nessa temporada dá pra citar Jordy Nelson, Andrew Luck, Cameron Wake, Le’Veon Bell, Jimmy Graham, DeMarco Murray e tantos outros. Eu estou escolhendo Jordy Nelson como o vencedor esse ano pela produção absurda que teve nessa temporada mesmo voltando de contusão séria no joelho em 2015 e com 31 anos nas costas: ficou a três recepções e 1 TD de se tornar apenas o 5º jogador na história a conseguir pelo menos 100 recepções, 1.200 jardas e 15 TDs em uma única temporada. É quase como se Nelson nunca tivesse se machucado já que a produção é equivalente à que ele conseguiu em 2014.

Coach of the Year: Jason Garrett (Dallas Cowboys)

Jason-Garrett

Aqui eu não tenho nem dúvidas, Jason Garrett é o técnico do ano. Após uma temporada 4-12 em 2015, Garrett entrou nessa temporada sob pressão e uma temporada ruim poderia significar sua demissão. Junte-se a isso um Draft que a primeira vista foi medíocre, uma defesa cheia de buracos e seu QB titular se machucando na pré-temporada e tudo indicava que o ano do Cowboys seria um desastre. Não foi o que aconteceu por conta do Garrett, que bancou o novato Dak Prescott como seu QB1, deu liberdade para o coordenador defensivo Rod Marinelli trabalhar e cometeu bem menos erros mentais do que vinha acontecendo nas últimas temporadas.

Isso tudo resultou no melhor recorde da NFC, um ataque que pulou de 31º em DVOA em 2015 para o 3º melhor, uma defesa que manteve sua regularidade apesar de lidar com contusões e jogadores suspensos e um dono que adora dar pitacos e acaba botando pressão no técnico. Há outros candidatos interessantes para o prêmio como Bill Belichick e Adam Gase, mas o trabalho de ressurgimento do Cowboys dá a vantagem para Garrett.

Assistant Coach of the Year: Josh McDaniels (Coordenador Ofensivo, New England Patriots)

josh-mcdaniels-2935977019

Esse é o prêmio mais novo da NFL, foi criado só em 2014 e até hoje não é levado muito a sério. Mesmo assim, acho ele muito importante porque em vários times são os coordenadores que carregam o time nas costas. Apesar de Kyle Shanahan ter montado um esquema ofensivo que possivelmente vai levar Matt Ryan ao MVP ou Steve Spagnuolo ter tirado a defesa do Giants das trevas para ser a 3ª melhor da NFL nessa temporada, Josh McDaniels é quem merece esse prêmio. Teve que montar esquemas ofensivos para três QBs diferentes e mesmo assim o ataque foi de uma eficiência absurda: 3º melhor da liga em DVOA, 3-1 sem Tom Brady e quando ele voltou conseguiu produção que o credenciou a ser candidato a MVP mesmo sem Rob Gronkowski por grande parte da temporada. Além disso, a volta de Dante Scarnecchia como técnico de linha ofensiva abriu mais uma frente para McDaniels: LeGarrette Blount terminou a temporada liderando a NFL com 18 TDs corridos.

O que você achou da coluna dessa semana? Qual outro jogador merece um desses prêmios? Deixe um comentário aqui ou venha falar comigo no Twitter lá no @oQuarterback! Também fique por dentro por tudo o que rola na NFL e na NCAA lendo aqui o Liga dos 32 e acompanhando o site no Twitter e no Facebook!

Postagens Relacionadas









Felipe Laurence é administrador do oQuarterback desde 2011 e colunista da Liga dos 32. Advogado de profissão, assiste NFL desde 2000 e tem como maior hobby a difusão do futebol americano pelo Brasil. No Twitter: @oQuarterback.