terça-feira, 10 de outubro de 2017

Compartilhe

Se você ficou acordado na noite da última quinta-feira para assistir a partida entre Tampa Bay Buccaneers e New England Patriots, deve ter se assustado com um dos protagonistas da partida: Nick Folk. O já veterano kicker passou uma daquelas grandes vergonhas em pleno horário nobre ao errar três field goals, sendo um dele de apenas 31 jardas e que teria dado a vitória ao Bucs, visto que o jogo terminou 16 a 14 para o Pats. Mas Folk não é o único a errar chutes esse ano.

Ao passar das semanas, vemos mais e mais jogadores errando chutes que antes achávamos fáceis ou até automáticos, o que nos leva a pergunta do título do post: será mesmo que os kickers da NFL estão regredindo? A qualidade deles está realmente piorando de um tempo pra cá?

Para responder essa pergunta, nada melhor que analisar os dados históricos da NFL.

Antes de mais nada, vamos analisar nosso querido Nick Folk. Desde que começou sua carreira lá em Dallas em 2007, o jogador teve uma média de aproveitamento de field goals de cerca de 80% em field goals. Nada mal para os padrões da liga, é verdade. No entanto, sua carreira está em total declínio desde que chegou em Tampa em 2017: foram 6 chutes acertados de 11, um aproveitamento de ridículos 54,5%, além de um aproveitamento abaixo dos 80% em pontos extra. Em outras palavras, o aproveitamento de Folk nos chutes de pontos extras essa temporada está pior do que o aproveitamento que o jogador tinha na carreira em field goals. É um declínio grande.

Mas adaptando o que já dizia minha mãe, Nick Folk não é todo mundo. Ao analisar os números da NFL, o cenário muda um pouco de figura.

Dá uma olhada no gráfico abaixo:

 

 

Como vocês podem ver, os kickers da NFL estão numa melhora crescente nos últimos 30 anos. Se você passar o mouse (ou o dedo, caso esteja lendo pelo celuar) no começo da linha verde, verá que o aproveitamento médio de um kicker no fim da década de 80 era de pouco mais de 70%, enquanto os kickers de hoje possuem uma média de 85%. Em outras palavras, o kicker médio de décadas atrás estaria desempregado hoje por baixo aproveitamento.

Diminuindo um pouco o cenário de comparação, vemos que o ano de 2017 ainda é um ótimo ano para os chutadores do futebol americano. Até o momento, o único ano em que os kickers tiveram um desempenho melhor que o de 2017 foi o atípico ano de 2013, que chegou até a fugir da reta de tendência o gráfico indicava. Isso acontece porque ao mesmo tempo que vemos kickers como Nick Folk errando field goals fáceis, ainda temos por aí jogadores como Justin Tucker, Greg Zuerlein, Dan Bailey, Robbie Gould e outros que andam fazendo bonito até o momento, o que eleva a nossa média.

Há certamente pessoas que podem questionar o fato de que o aproveitamento nos extra points caiu a partir de 2015 para dizer que os kickers pioraram. No entanto, é injusto dizer tal coisa devido a mudança de regras da NFL: ao colocar o ponto extra como um chute 33 jardas e não mais um chute de 20 jardas, é natural que o aproveitamento dos chutes diminua.

Agora, vamos olhar o aproveitamento dos chutes por distância:

 

 

Calma, o gráfico pode parecer meio esquisito, mas vamos analisá-lo com calma.

Como vocês podem observar, chutes curtos (linhas verde e vermelha) são automáticos desde sempre. Apesar de alguns anos atípicos, chutes de menos de 30 jardas sempre foram certeza de três pontos, seja em 2017 ou em 1988 e o aproveitamento médio de mais de 95% de acertos comprova isso — e é exatamente o motivo pelo ponto extra ter virado um chute de 33 jardas. Agora, olha como a situação começa a se inverter quando a distância começa a aumentar.

A linha amarela indica o aproveitamento de acertos de chutes entre 30 e 39 jardas de distância. Se repararmos bem, desde os 96% de aproveitamento em 2015, o aproveitamento vem em declínio. Até agora, os kickers estão com apenas 87% de acerto em chutes dessa distância, um aproveitamento fraco demais. Lembrem-se: chutes de 33 jardas como o ponto extra tem um aproveitamento médio de 95%, então olhem a diferença. São chutes considerados fáceis como esses que realmente podem decidir jogos, já que o ataque atravessa todo o campo para dar uma boa posição de campo para o kicker e ele acaba desperdiçando a oportunidade. Sim, isso foi uma indireta para você, Folk.

Por outro lado, a precisão de field goals mais longos tem aumentado de forma considerável. Chutes entre 40 e 49 jardas de distância, considerados de dificuldade média, estão com aproveitamento ótimo de 81%. Para efeito de comparação, os kickers de hoje acertam chutes de 40 jardas com a mesma proporção que os kickers de 2004 acertavam os chutes de 30 jardas (considerados fáceis). Baita de um avanço, não é mesmo?

Nos field goals de acima de 50 jardas, aqueles difíceis e que somente os melhores kickers acabam tendo a oportunidade de chutar, o aproveitamento é ótimo. A cada três chutes tentados acima de 50 jardas, dois passam dentro do Y. Nada mal. Com a chegada do garoto Jake Elliott, que já colocou um de 61 jardas na vitória do Eagles sobre o Giants, o número pode acabar subindo.

Com todos esses dados disponíveis, o que podemos concluir é que não há motivos para pânico. Ao olhar a média histórica, é notável ver o quanto os kickers vem melhorando e ao olhar uma partida da NFL, podemos ver o quanto ainda há espaço na liga para que outros kickers melhores entrem para elevar essas porcentagens. As quedas de aproveitamento que estão acontecendo na liga nesse momento são poucas e pontuais, o que não causa motivo para duvidar de um problema geral. É possível também que com os 17 jogos da temporada regular esse número se altere completamente também.

Sendo assim, fique tranquilo. A liga está bem servida de kickers no modo geral. Se o seu time não está, ele é a exceção e não a regra.

P.S.: Você não achou que eu ia terminar um texto sobre kickers sem fazer um trocadilho Koo, né?


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.