quarta-feira, 13 de abril de 2016

Compartilhe

1457488020-bosa-buckner

O Draft se aproxima e hoje damos início à série “Os Caras do Draft”, aqui vamos comparar alguns dos melhores jogadores elegíveis e analisar suas características, pontos fortes e os pontos em que o jogador tem mais dificuldades. Para começar, vamos falar sobre dois dos melhores defensores desse Draft: Joey Bosa e DeForest Buckner. Na edição #38 do nosso Podcast, você pode ficar por dentro dos dez melhores jogadores da classe e ambos os atletas estão presentes na lista. Vamos então entender o que há de especial em cada um deles:

Joey Bosa – Ohio State

bosa

Bosa já era um dos atletas mais prestigiados do futebol americano universitário quando chegou, em 2013, à universidade de Ohio State e de lá para cá, com inúmeras conquistas individuais e coletivas, conseguiu manter seu prestígio durante seus três anos no programa. Já em seu primeiro ano em Ohio State, foi titular em 10 das 14 partidas disputadas.  Bosa teve seu melhor ano em 2014, quando fez 13,5 sacks, 21,5 tackles para perda de jardas, forçou 4 fumbles e recuperou 1, ajudando Ohio State na conquista do CFP National Championship (final universitária nacional) contra Oregon.  Em 2015 seu total de sacks caiu para 5 e mesmo quando não estava com marcação dupla, mostrou alguma dificuldade em chegar aos QBs, mas seu impacto foi muito além da quantidade de sacks, sendo um jogador importantíssimo no apoio contra o jogo corrido. Entre as conquistas individuais, Bosa acumulou uma série de nomeações: duas vezes All-American (time hipotético com os melhores jogadores do ano) em 2014 e 2015, nesses dois anos Bosa também recebeu o Smith-Brown Defensive Lineman of the Year (melhor DL do ano) e em 2014 ele ganhou o Nagurski-Woodson Defensive Player of the Year (melhor defensor em todo futebol americano universitário).

Bosa tem um biotipo ideal para ser um DE no 4-3, mas também pode atuar sem as mãos no chão, de OLB no 3-4. A característica que mais chama atenção é a sua força. Apesar de não ter muita velocidade, Bosa usa bem as mãos, tem um bom tempo de reação e muita explosão para explorar os OTs rapidamente após o snap. Bosa  é considerado um jogador extremamente confiante, competitivo e que se entrega totalmente em 100% dos snaps.  Há quem desconfie que ele não conseguirá ser tão dominante entre os profissionais, parte disso porque temem que ele não tenha uma boa movimentação lateral e velocidade para bater os melhores OTs correndo por fora. Também existem questionamentos se o seu sucesso não vinha por ser muito maior que o resto da competição, mas que talvez ele não consiga atropelar jogadores mais fortes e técnicos no nível profissional com a facilidade que fazia no universitário. Há também algumas preocupações com sua capacidade de diagnosticar jogadas pré-snap e com o seu comportamento fora do campo, visto que Bosa costuma frequentar muitas festas e foi suspenso do primeiro jogo de 2015 por se recusar a fazer um exame antidoping. Na pior das hipóteses, Bosa será muito forte contra o jogo corrido, mas para alcançar seu potencial completo como pass rusher, ele precisará de um melhor refinamento técnico para levar vantagem sobre os grandes OTs na NFL.  Interessante que Bosa só fará 21 anos em Julho, o potencial de crescimento físico e mental é muito intrigante.

Números da carreira na NCAA (2013-2015):

  • 37 jogos
  • 148 tackles
  • 51 tackles para perda de jardas
  • 26 sacks
  • 5 fumbles forçados
  • 1 INT

DeForest Buckner – Oregon

e1cf6950aa09eb388a0f6a7067009803_r900x493

Buckner jogou quatro anos pelo Oregon Ducks, mas apesar de ter sido titular em 11 jogos nos seus dois primeiros anos, só foi se consolidar em 2014. Assim como Bosa, Buckner atuou em altíssimo nível nos dois últimos anos, com a diferença que Buckner apresentou uma ascensão no seu desempenho de  2014 para 2015, enquanto Bosa regrediu.  Buckner mostrou muita versatilidade durante a universidade, atuando como DE em linhas de 3 jogadores e de DT e DE em esquemas 4-3. Ele é um atleta enorme, ainda maior que Bosa, mas eles não deverão jogar na mesma posição nos profissionais. Buckner não teria a velocidade suficiente para jogar como edge rusher na NFL, mas seu tamanho e capacidade atlética fazem dele um atleta ideal para jogar de DE no 3-4, embora também poderá ser muito produtivo de DT em um sistema 4-3. Buckner surpreende pela capacidade de desestabilizar a linha ofensiva, conseguindo uma quantidade enorme de tackles para alguém da posição. Em seus dois anos como titular absoluto, Buckner totalizou 164 tackles, sendo 30 deles para perdas de jardas. Buckner poderia ter sido escolhido nas primeiras rodadas do Draft de 2015, mas preferiu retornar para Oregon e desenvolver suas capacidades como pass rusher. Esse movimento pagará enormes dividendos, visto que Buckner realmente teve um salto de produção no quesito, tendo conseguido 10,5 sacks em 2015, mais do que os 7,5 que ele tinha conseguido em seus primeiros três anos somados.

Buckner foi muito bem avaliado pelos times que tiveram a oportunidade de entrevistá-lo, ele é tido como uma boa influência, também, fora de campo e nunca se envolveu em polêmicas, essas características podem fazer dele uma escolha mais segura que Bosa. Buckner tem a mistura ideal de tamanho e impacto para se tornar um jogador extremamente dominante na NFL, vemos nele um jogador incansável, que está em todas as jogadas e não se intimida muito com marcação dupla. Tem um bom instinto e alcance, que o ajudarão tanto no jogo corrido, quanto infiltrando pelo meio da linha ofensiva para apressar o QB. Mesmo jogando em uma defesa que foi muito suspeita em 2015, Buckner atuou muito bem e não se omitiu durante os jogos mais importantes e contra adversários mais fortes.  Por ser um jogador muito alto, Buckner precisa aprender a jogar com o seu centro de gravidade mais baixo, para melhorar seu desempenho contra a marcação dupla e não ser derrubado facilmente. Apesar de Bosa e Buckner serem prospectos com uma grande chance de fazer barulho nos próximos anos, especialmente pelo talento de ambos na defesa contra a corrida, eles precisam trabalhar melhor sua movimentação e refinar suas técnicas de uso do corpo na hora que forem atacar o QB, para compensar o fato de que não são jogadores muito rápidos. Tendo isso dito, acredito que Buckner é um jogador que chega mais pronto para o jogo profissional e por ser mais versátil que Bosa, tem maiores chances de causar um impacto imediato, independente do esquema em que esteja jogando. Caso seu time jogue em uma defesa 3-4, Buckner é a melhor opção, mas caso seu time esteja bem servido no interior da linha defensiva e precise de um DE capaz de pressionar o QB, Bosa é a opção que faz mais sentido. Os dois jogadores são fortes candidatos a serem escolhido nas seis primeiras escolhas do Draft.

Números da carreira na NCAA (2012-2015):

  • 43 jogos
  • 232 tackles
  • 36 tackles para perda de jardas
  • 18 sacks
  • 2 fumbles forçados
Compartilhe

Comments are closed.