segunda-feira, 26 de Março de 2018

Compartilhe

A natureza do futebol americano é ser um esporte coletivo. Em suma, são 53 jogadores que formam um time, treinam juntos, batalham juntos, vencem e perdem juntos. Mas é natural, como em qualquer esporte coletivo, que algumas posições sejam mais valorizadas e importantes que outras. Em analogia com o futebol da bola redonda, um meio atacante vale muito mais posicionalmente que um lateral direito, por exemplo. A ordem das posições apresentadas no decorrer do texto será da maior para menor relevância/impacto no jogo de forma geral.

A forma como o futebol americano é jogado na NFL hoje, ao contrário de suas raízes, possui o jogo aéreo como base. Ou seja, qualquer jogador que possa impactar nesse quesito, seja para o bem ou para o mal, tem seu valor posicional elevado. As cinco posições de maior valor no time são praticamente um consenso, e todas envolvidas no jogo aéreo.

Quarterback é obviamente o principal exemplo e a função de maior valor no time. É o líder do ataque e o responsável por chamar as jogadas, além de ter nas mãos o jogo aéreo e sem dúvidas é o jogador que possui mais impacto no desempenho da franquia. Exemplos disso, na própria temporada passada, são o Green Bay Packers e o San Francisco 49ers. O Packers viu seu rendimento não só do ataque, mas do time em geral, cair drasticamente após a lesão do futuro hall da fama Aaron Rodgers. Já o 49ers, após começar a temporada 1-10, conseguiu cinco vitórias consecutivas após a chegada de Jimmy Garoppolo ao time, sendo ele o único jogador diferente em relação ao início da temporada. Nenhuma posição tem um poder de impacto tão grande, e por isso são os jogadores mais valorizados e bem pagos.

Mas não é só o QB que impacta no jogo aéreo. Principais responsáveis pela pressão ao QB adversário, os pass rushers (sejam defensive ends ou outside linebackers) tem cada vez mais valor para os times. Caso façam bem seu trabalho, podem tornar a vida do quarterback um inferno e prejudicar demais o jogo aéreo do oponente. Em defesa ao pass rusher, o left tackle, jogador responsável por proteger o lado cego do quarterback, tem impacto direto no desempenho do mesmo e, consequentemente, na produção de jardas aéreas do time.

O cornerback número 1 do time, usualmente o left cornerback, responsável por anular o melhor recebedor do time é o próximo da lista em questão de valor ao elenco, sendo seguindo pelo seu nêmesis, o principal wide receiver do time, o alvo favorito e de confiança do quarterback.

A lista continua com defensive tackles, que tem sua importância tanto em ajudar na pressão ao QB quanto em parar o jogo corrido; com middle linebackers, que recebem a jogada do coordenador e são responsáveis pelos ajustes na defesa; com running backs, importantes para variar as jogadas do time e não deixar o ataque unidirecional, além de aliviarem a pressão do quarterback; com tigh ends sendo usados como alvos na red zone e com safities e sua importância na defesa no meio do campo. O restante da linha ofensiva (guards e centers), weak e strong side linebackers e jogadores de times especiais fecham a lista.

Essas informações de importância de posições são utilizadas para definir valores de contratos, decisões de aquisições e trocas e especialmente na seleção de jogadores no draft. Vale lembrar também que a dificuldade de encontrar um grande talento em uma posição é diretamente proporcional ao quão impactante essa posição é. Por isso é raro de ver jogadores de impacto nas posições mais relevantes, especialmente quarterbacks, irem para o mercado como free agents. O time que encontra esse talento não quer deixar escapar, justamente por saber de seu valor e a dificuldade de sua substituição.

Nessa última free agency, o ex-Carolina Panters Andrew Norwell, um dos melhores guards da liga e no ponto alto de sua carreira se tornou agente livre. Caso Norwell fosse um quarterback ou um pass rusher dificilmente sairia do Panthers. Afinal o poder de influência do melhor guard da liga no resultado de uma partida é muito menor do que de um quarterback, por exemplo, que seja top 15 na NFL. Além de que um guard, por melhor que seja, é bem mais fácil de ser substituído do que um jogador em uma posição mais valiosa.

Por isso também vemos quarterbacks, pass rushers e cornerbacks recheando as primeiras escolhas no draft. É claro que, nestes casos, as necessidades da franquia também devem ser levadas em consideração, porém ter um talento de elite nessas posições pode fazer uma diferença gigante no desfecho de um jogo. No vindouro draft, alguns analistas colocaram o RB de Penn State Saquon Barkley como primeira escolha do Cleveland Browns, ou até mesmo o guard de Notre Dame Quenton Nelson como terceira escolha pelo NY Jets. Levando em conta o valor da posição, isso não faz sentido nenhum. Ambos os times precisam de quarterbacks, e por melhor que Barkley e Nelson sejam (e eles realmente são ótimos), o valor de suas posições para a franquia não são nem próximos do que um possível futuro franchise QB vale. Como já falado, um QB mesmo que apenas razoável é capaz de ter muito mais impacto no resultado de uma partida do que um ótimo guard.

Obviamente o valor de cada posição é apenas um dos muitos parâmetros que devem ser levados em conta na hora de montar o elenco do time e considerar quem vai, vem e fica. Existem diversos outros pontos a serem levados em consideração. Além disso, existem exceções a todas as regras e esta não é diferente.

 

Não deixe de comentar através das mídias sociais ou mesmo usando a caixa de texto abaixo. COMENTE!

Leia textos exclusivos a cada semana sobre todos os times da NFL. Seja um assinante L32


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe