O que será do Los Angeles Chargers?

6 de outubro de 2017
Tags: Giovani Natal, matérias,

Ao longo das duas últimas temporadas, a NFL viveu sob um impasse sobre o futuro da franquia Chargers. Sediada por mais de 50 anos em San Diego, a franquia viva um dilema àquele momento. O estádio não enchia (o Chargers teve por anos seguidos uma das piores medida de ocupação de estádios da NFL), mandava seus jogos no Qualcomm Stadium, um dos estádios mais velho da liga. Isso gerava perda de receita para a franquia, até pela impossibilidade de sediar o Super Bowl, devido as condições de seu estádio. É bom lembrarmos que a Califórnia é um excelente local para sediar o principal jogo da temporada, devido as suas características e condições meteorológicas favoráveis.

Em 2015, a franquia se uniu ao rival Oakland Raiders – outro que passava/passa pelos mesmos problemas da franquia – e apresentou a proposta de construção de um estádio em Carson, próximo a Los Angeles. A proposta se tornou polêmica por alguns motivos, dentre os quais destacamos a animosidade entre as torcidas das duas franquias e ao não interesse da NFL numa volta do Raiders à Los Angeles. Além destas, surgiu uma outra proposta de relocação do St. Louis Rams, com a construção de um megaestádio em LA, custeado pelo dono da franquia, Stan Kroenke. Como todos sabemos, a proposta do Rams foi a vencedora.

Passado o ano de 2016 inteiro em tentativas de conciliação e financiamento da cidade de San Diego na construção de um novo estádio na cidade, a franquia exerceu o direito de escolha dado pela NFL e oficializou a sua volta a Los Angeles.

Passado apenas 4 jogos dessa temporada, vale nos perguntarmos: será que a mudança foi válida?

Enquanto aguarda a construção do Rams, o Chargers está sediando os seus jogos no StubHub Center, estádio do Los Angeles Galaxy, franquia da MLS. Um estádio muito modesto, com capacidade para próximo de 27.000 pessoas, totalmente fora dos padrões da liga. Como comparativo, um estádio para 27.000 pessoas seria algo similar a um estádio de um High School.

O que tem se visto é um estádio dividido, com público em torno de 26 mil pessoas, abaixo da capacidade anteriormente divulgada. O ápice dessa confusão pode ser notado no último jogo contra o Philadelphia Eagles, onde após o jogo, alguns jogadores do Eagles relataram que se sentiam em casa no estádio, tamanho o barulho feito pela torcida, mesmo estando do outro lado do país.

Isso levou a uma série de rumores sobre o “desencorajamento” por parte da Liga com essa relocação. Levantou-se a hipótese de que a Liga estaria pensando em voltar com a franquia para San Diego, o que foi refutado pelo vice-presidente de comunicações, Joe Lockhart.

Dean Spanos conversou conosco sobre isso, e sabe que se trata de um processo.”, disse Lockhart. “Sobre entrar e fazer o trabalho árduo de se conectar com uma nova cidade e sua comunidade. Isto é o que a franquia tem feito. O comissário Roger Goodell esteve no último sábado com lideranças da franquia e no domingo, estave novamente com parceiros, fãs, executivos e antigos jogadores, sempre reforçando o apoio da Liga nesse processo.”

O fato da franquia ter pedido apoio da Liga para se estabelecer na cidade pode ser visto como um sinal de preocupação para todos os lados. Apesar disso, Lockhart disse que Goodell vai fazer o que quer que seja necessário para ajudá-los a ter sucesso em LA.

“Eu acho que o Comissário está pronto para fazer o que podemos para ajudar a construir essa base de fãs e mercado”, disse Lockhart. “Mais uma vez, acho que o clube deixou claro que eles não esperavam que isso acontecesse do dia para a noite. Sabiam que seria um processo moroso, e eles estão cindo em direção ao que todos acreditamos que será um local espetacular, e que irá apoiar ambas as equipes de uma maneira muito forte.”

Hoje, a melhor solução para o futuro da franquia é a sua venda. Dean Spanos é um dono mal visto pela torcida, por toda a forma como conduziu esse processo. Seja em San Diego, Los Angeles ou outra cidade, ele sofrerá com a rejeição da torcida pela forma como conduziu esse processo. Com a chegada de um novo dono, a franquia ganhará novo folego para seguir adiante e conseguir se estabelecer.

Não acredito que a Liga admitiria culpa nesse processo num prazo tão curto de tempo. Os donos receberam um valor significativo para suportar essa mudança, e apesar de tudo, a franquia deverá ter lucro e sua marca valorizada. Financeiramente, no primeiro momento, todos estão felizes e isso é o satisfatório.

Entretanto, a sirene de alerta será ligada com a inauguração do novo estádio de Los Angeles, que deverá ocorrer em 2020. Se mantiver os problemas que hoje apresenta durante a sua permanência no StubHub Center, além de uma sequência de péssimas campanhas, esse problema só aumentará em um estádio para 70.000 lugares. E nesse momento, a Liga terá que intervir e solucionar o problema da melhor forma para todos.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Postagens Relacionadas









Giovani Natal é o setorista da AFC OESTE. Analisa Chiefs, Chargers, Raiders e Broncos às quartas e quintas aqui no site. No projeto setoristas, falamos dos 32 times a cada duas semanas! Siga-o no Twitter para acompanhar mais da cobertura dessa divisão e debater sobre as matérias: @giovani_natal