segunda-feira, 2 de Abril de 2018

Compartilhe

Muito se falou nessa offseason sobre o desmanche que está ocorrendo no Seattle Seahawks, especialmente na saída dos jogadores que formavam a Legion of Boom, uma das secundarias mais marcantes e temidas da história recente da NFL, sendo parte principal do time que apareceu em 2 Super Bowls com uma vitória. Mas não é só esta defesa que pode estar sendo perdida.

Aqib Talib e Chris Harris Jr. como cornerbacks. Darian Stewart. T.J. Ward como safities. Bradley Roby fechando como nickelback. Esses cinco jogadores formaram em Denver a No Fly Zone, uma estrutura defensiva que dava medo em ataques adversários – ainda mais se lembrarmos de que havia um certo senhor Von Miller pressionando o QB – e que foi a maior responsável pela temporada de 2015 que levou o Broncos a conquistar o Super Bowl 50 anulando completamente Cam Newton e o Carolina Panthers.

Em 2015, esta defesa permitiu mais de 300 jardas aéreas em apenas uma partida, contra os Steelers na semana 15. E tanto em 2015 quanto em 2016 foi a melhor defesa contra o jogo aéreo. Além disso, estamos falando de uma secundária que conseguiu, em seu auge, 28 jogos consecutivos sem permitir a QBs adversários um passer rating de mais de 100. E nesse período enfrentou nomes como Tom Brady, Ben Roethlisberger, Aaron Rodgers, Phillip Rivers, Andrew Luck e Cam Newton.

Infelizmente para os torcedores do Broncos, essa secundária está perdendo alguns de seus nomes. T.J. Ward foi dispensado pelo time na offseason passada, liberando na época 4,5 milhões de salary cap, e assinou com o Tampa Bay Buccaneers para a temporada de 2017. Aquib Talib foi trocado recentemente por uma escolha de quinta rodada no draft para o Los Angeles Rams.

Na última temporada, Justin Simmons teve que vestir as asas de T.J. Ward, e o plano para 2018 é ter Bradley Roby saindo da posição de nickelback para se substituto de Talib. Roby foi escolhido no draft de 2014 e está indo para seu último ano de contrato de calouro, devendo exigir uma extensão com Denver na próxima pré-temporada. Ainda é jovem, apenas como 25 anos e quando alinhado como nickel jogou muito bem. A questão é se manterá esse desempenho na nova posição.

Além das perdas de jogadores, um dos principais problemas é a profundidade dos reservas do time. Brendan Langley e Marcus Rios são jovens apostas que podem ter mais chances de estar em campo em 2018, mas ainda não podem ser contados como soluções. Tramaine Brock veio para reforçar a defesa em um contrato de um ano. Teve desempenho bons em 2015 e 2016 pelo 49ers, mas quase não foi utilizado em 2017 enquanto no Vikings. Além disso, tem alguns problemas extra campo, como uma alegação de violência doméstica, sendo isso algo que sempre é preocupante. Caso repita o desempenho de seus melhores anos, pode ser uma adição interessante, mas longe do nível de Talib.

Um pouco de profundidade foi adicionada a posição de safety com a vinda do jovem Su’a Cravens, em troca com o Washington Redskins que envolveu escolhas de 3º dia no draft. Com apenas 22 anos, bastante já aconteceu na carreira de Cravens. Draftado em 2016, ano passado ele anunciou para o Redskins a decisão de se aposentar, devido a preocupações em relação a saúde (estava se recuperando de uma concussão). Foi convencido pela franquia a pelo menos adiar a decisão, e após ser liberado pelos médicos para jogo, decidiu voltar atrás e dar uma nova chance para carreira. Caso jogue, é uma ótima peça para a defesa, sendo um jogador moderno e capaz de jogar tanto de strong safety como de inside linebacker.

Se depender do novo técnico de defensive backs, Greg Willians, essa secundária ainda manterá o nível. Vindo para o Broncos após 2 anos nessa mesma posição no Indianapolis Colts, o Willians quer montar uma secundária que tenha como base os pontos fortes de seus jogadores, que seja física e abuse de tackles.

A perda de talentos é óbvia e deve ser sentida, mas o desmanche não chega perto do que ocorreu em Seattle. A secundária do Broncos ainda tem capacidade de render. Se as peças que vieram – em especial Cravens – desempenharem bem suas funções e caso os remanescentes Chris Harris Jr. e Darian Stewart continuem cumprindo seus papéis esta defesa ainda pode carregar o time. Porém, vai precisar se provar na próxima temporada para ver se ainda é merecedora da alcunha de No Fly Zone.


Não deixe de comentar através das mídias sociais ou mesmo usando a caixa de texto abaixo. COMENTE!

Leia textos exclusivos a cada semana sobre todos os times da NFL. Seja um assinante L32

Compartilhe