O Philadelphia Eagles mostra a sua força

17 de outubro de 2017
Tags: david telles, matérias,

Antes da temporada começar, muitos analistas apontavam Dallas Cowboys e New York Giants como os principais favoritos para levar o título da NFC Leste. O Philadelphia Eagles aparecia numa segunda prateleira, muito por conta do ataque da equipe, que foi bastante renovado na offseason com a adição de novas peças tanto entre os recebedores quanto entre o grupo de RBs, além de como o QB Carson Wentz viria para se segundo ano como profissional após ter sido inconsistente em 2016.

Leia textos exclusivos a cada semana sobre todos os times da NFL. Seja um assinante L32

Após 6 semanas de disputa em 2017, o Eagles tem se mostrado um time mais completo do que seus rivais de divisão, figurando no topo da Conferência Nacional e, mantendo esse ritmo, a franquia pode fazer ainda mais barulho nesta temporada. Vamos aos motivos para acreditar na franquia da Filadélfia no campeonato.

Ataque equilibrado

O setor ofensivo da equipe tem tido um excelente rendimento até aqui, seja correndo com a bola ou avançando pelo ar. O ataque tem média de 6,61 jogadas por campanha ofensiva e fica em campo por 3 minutos e 16 segundos por drive em 2017, segundo números do Football Outsiders. Essas médias estão entre as 3 melhores marcas em seus respectivos quesitos e dão uma amostra de quanto o setor produz e consegue se manter em campo.

Individualmente, o QB Carson Wentz apresenta uma bela evolução em relação ao seu ano de estreia na liga. O atleta, que buscou se aprimorar na intertemporada, melhorou sua mecânica de lançamento e sua movimentação no pocket, resultando em passes mais precisos, como o TD lançado para o TE Zach Ertz (vídeo abaixo) na partida do último TNF e também no bom aproveitamento em terceiras descidas, principalmente em TDs lançados nesta situação (ao todo são 7 com esse cenário, melhor marca da NFL).

A melhora no corpo de recebedores merece destaque nessas boas atuações de Wentz, já que o QB sofria na temporada passada com drops. Os WRs Alshon Jeffery e Torrey Smith são alvos mais confiáveis e até Nelson Agholor tem conseguido produzir boas jogadas atuando no slot. O TE Zach Ertz foi definitivamente mais envolvido no ataque e se tornou a bola de segurança na red zone de Wentz e tem se mostrado um dos melhores jogadores de sua posição em 2017.

O jogo terrestre tem se beneficiado com a presença do veterano RB LeGarrette Blount. O corredor tem uma excelente média de 4,9 jardas após o contato, sendo um fator importante para mover as correntes para o time. Além disso, Blount tem surpreendido por conseguir ser elusivo na temporada, obtendo sucesso também fugindo dos tackles (segundo o PFF, o camisa #29 do Eagles tem rating de 158 nesse quesito, disparado a melhor marca do ano). Wendell Smallwood é outro RB que tem conseguido boa produtividade, principalmente recebendo passes, e o backfield de Philadelphia está bem servido.

O trabalho da linha ofensiva também merece seu crédito. Pelo PFF, o setor possui a terceira melhor proteção para o passe, dando segundos valiosos para Wentz. Na partida da Semana 6, contra o Carolina Panthers, a ausência do OT Lane Johnson pesou um pouco e o QB sofreu um número maior de pressões. No entanto, em números gerais, essa OL dá bastante tranquilidade para o comandante de seu ataque (as atuações do OT Jason Peters, do C Jason Kelce e do OG Brandon Books tem chamado a atenção).

Defesa sólida

Como já sabíamos, o front seven de Philadelphia é um dos melhores do futebol americano profissional e vem confirmando seu status nessa temporada. O setor tem sido muito efetivo contra a corrida, cedendo apenas 394 jardas pelo chão em 6 partidas. É a melhor marca na NFL desde a defesa do Pittsburgh Steelers de 2010 (foram 382 jardas cedidas pelos “metaleiros” em 6 jogos na ocasião). Além disso, os DLs Fletcher Cox, Brandon Graham, Timmy Jernigan e Vinny Curry tem conseguido um alto número de pressões nos QBs adversários e invariavelmente levando a melhor na batalha das trincheiras.

O que surpreende no setor defensivo da franquia é a boa performance da secundária. Apesar de ter cedido 273,5 jardas por confronto, a última linha de defesa do time é muito agressiva e tem se destacado por permitir um número baixo de conversões de 1ª descida (30,5%), além de forçar turnovers com a ajuda do seu excelente front seven. Individualmente, chama a atenção as atuações de Patrick Robinson, CB mais bem avaliado pelo PFF na temporada. O atleta vinha de uma temporada fantasmagórica no Indianapolis Colts em 2016 e parece ter reencontrado os bons tempos de Chargers.

Por fim, a atuação da defesa contra terceiras descidas é outro ponto alto. Os oponentes só conseguiram converter essas jogadas em 1st down em 24 de 73 oportunidades contra o Eagles (taxa de conversão de 33%, quarta melhor marca da liga). O próprio ataque do time contribui bastante para esse número, pois fica bastante tempo em campo, ajudando os defensores a ficarem frescos para esse tipo de situação.

Belo trabalho de Doug Pederson

O que Pederson tem feito no Eagles é digno de nota. O ataque melhorou da água para o vinho em 2017, com Wentz se sentindo mais confortável em campo e todo o setor parece estar sempre bem preparado para as partidas.  A aposta no jovem quarterback, aliás, deve ser creditada ao treinador.

Vale lembrar que em 2016 o Eagles havia renovado o contrato de Sam Bradford e apostava no veterano para ser o dono da posição, o que faria com que Wentz tivesse um ano de aprendizado em 2016 com pouco tempo em campo. Entretanto, Pederson convenceu o GM Howie Roseman que poderia negociar Bradford (o QB foi para o Vikings em troca de uma escolha de 1ª rodada no Draft de 2017) pois tinha plena convicção de que o produto de North Dakota State tinha condições de assumir a titularidade já no ano passado. Experiência que foi fundamental para que Wentz esteja atuando tão bem hoje. O HC e sua comissão também merecem o crédito de fazer atletas como Nelson Agholor, Mychal Kendricks e Patrick Robinson atuarem em um nível elevado.

Sequência de jogos

Com um retrospecto de 5 vitórias e apenas 1 derrota, O Eagles lidera não só a NFC Leste como a Conferência Nacional de forma isolada. E o time pode permanecer nessa posição por mais algum tempo.

Isso porque a franquia tem 3 partidas atuando em seus domínios na sequência. A série começa com um importante confronto de divisão contra o Washington Redskins, adversário que já foi derrotado pelo Eagles nessa temporada. Logo em seguida, é a vez do time receber um combalido San Francisco 49ers, uma das equipes de menor talento nesta temporada. Por fim, há um confronto contra um Denver Broncos que tem encontrado sérias dificuldades de fazer seu ataque engrenar.

Caso consiga mais 3 vitórias nessas rodadas, Philadelphia ampliaria sua série de triunfos consecutivos para 7 e ficaria com 8 vitórias em 9 Semanas. Na Semana 10 é a bye week da equipe, que até lá pode estar numa posição privilegiada para assegurar uma vaga na pós-temporada. Eventualmente nos playoffs, esse forte Philadelphia Eagles tem tudo para dar bastante trabalho.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Postagens Relacionadas









David Telles é o setorista da NFC NORTE. Analisa Packers, Bears, Lions e Vikings às segundas e sextas aqui no site. No projeto setoristas, falamos dos 32 times a cada duas semanas! Siga-o no Twitter para acompanhar mais da cobertura dessa divisão e debater sobre as matérias: @DavidRTelles