segunda-feira, 22 de Janeiro de 2018

Compartilhe

O Super Bowl LII está formado.

Neste domingo foram disputadas as Finais de Conferência e os times da casa levaram a melhor. Dessa forma, o New England Patriots superou o Jacksonville Jaguars em um grande jogo e o Philadelphia Eagles teve desempenho brilhante para atropelar o Minnesota Vikings. Assim, Patriots e Eagles estão de encontro marcado daqui a duas semanas em Minneapolis.

Vamos então passar por alguns dos principais pontos dos jogos.

Tom Brady não é humano

Depois de perder Julian Edelman ainda na offseason e Rob Gronkowski durante o jogo, sofrer com mais de dez pontos na mão direita e ainda com uma ótima defesa do outro lado, Tom Brady mostrou porque é considerado por tantos o maior QB da história da NFL. Neste domingo, com o Patriots perdendo por 10 pontos, ele comandou um último quarto de brilhantismo, no qual lançou para 147 jardas e 2 TDs, com grande auxílio de Danny Amendola, eterno candidato a ser cortado durante a offseason, mas que sempre entrega grandes desempenhos nos playoffs. Amendola foi o alvo dos dois touchdowns e ainda realizou outra jogada chave ao converter uma terceira descida para 18 jardas, que permitiu que New England cortasse a diferença para apenas três pontos. Dessa forma, o Patriots avançou para seu oitavo Super Bowl na era Brady-Belichick, um feito extremamente impressionante em uma liga que tanto busca a igualdade com o Draft e o teto salarial. Apenas mais um motivo para posicionar a dupla no topo das listas históricas de suas funções.

Defesa do Jaguars faz bom jogo, mas morre na praia

A defesa do Jaguars seguiu o almanaque para superar Tom Brady ao pé da letra, com uma ampla dose de pressão, liderada por uma grande partida de Dante Fowler. Além disso, a disposição e velocidade dos LBs limitou e muito o impacto dos RBs do Patriots como recebedores e o ataque terrestre foi bem contido. Foram algumas paradas importantes conquistadas pelo setor defensivo, mas, mesmo assim, não foi o suficiente para impedir a virada. A secundária acabou vítima do já citado brilhantismo de Tom Brady e de algumas faltas enormes de interferência, uma delas questionável e que dividiu opiniões e deu a oportunidade para New England pontuar no fim do primeiro tempo.

O grande momento defensivo do Jaguars na partida veio em jogada no último quarto, na qual Brady fez um passe para trás na direção de Amendola, que emendou com um lançamento que atravessou o campo horizontalmente até os braços de Dion Lewis, que tinha campo aberto e alguns bloqueadores na sua frente. Depois de avançar 20 jardas, eis que aparece Myles Jack e, em uma grande demonstração de atleticismo, alcança Lewis, forçando e recuperando um fumble. Aqui residiu o grande erro da arbitragem no jogo, ao apitar e declarar que a jogada tinha morrido, quando Jack tinha caminho livre para avançar e anotar um touchdown que essencialmente mataria o jogo. Como apenas foi oficializada a recuperação do fumble, Jacksonville logo sofreu um 3&out e devolveu a bola para que o Patriots anotasse um touchdown.

O que dizer de Blake Bortles?

Na rodada de Wild Card, Blake Bortles teve desempenho vergonhoso como passador, mas manteve o ataque vivo com os pés. Nas Semifinais de Conferência, cuidou bem da bola e tomou riscos em alguns momentos em uma boa exibição. Em parceria com um plano de jogo muito bom do coordenador Nathaniel Hackett, Bortles teve mais um dia acima da média em Foxborough, conseguindo diversas conversões importantes em terceiras descidas e longas campanhas, que obliteraram o relógio e mantiveram a defesa descansada ao longo da partida.

Contudo, no último quarto, o ataque nada produziu, gerando um trio de punts e um turnover em downs quando precisava de um touchdown para a virada. Assim, o Jaguars não conseguiu reverter a situação de 24 a 20 e acabou eliminado em uma temporada que avançou muito além do esperado na offseason. Agora, a diretoria do time tem que tomar a decisão de cortar ou não Bortles, o que pode ser feito sem nenhum impacto na folha salarial.

Ajustes, ajustes, ajustes

O Patriots é um time tão vitorioso há tanto tempo não somente pela presença de Tom Brady e alguns outros grandes jogadores, mas também pelo trabalho excepcional que a comissão técnica faz ao ajustar sua abordagem durante o jogo. Isto permite que a equipe se mantenha viva mesmo quando a situação não é favorável.

Após um primeiro tempo no qual o ataque teve dificuldades, Josh McDaniels abriu o playbook, abandonou as corridas qua pouco surtiam efeitos e os passes para RBs no flat, passando a atacar de forma mais incisiva a defesa de Jacksonville, além de chamar diversas jogadas mais mirabolantes, como a que virou o fumble de Dion Lewis.

Já do lado defensivo, após sofrer com drives longos e ter muitos problemas para impedir o avanço do ataque do Jaguars, Matt Patricia decidiu apostar em seus cornerbacks em coberturas mano a mano e se vendeu para impedir as corridas de Leonard Fournette. Assim, permitiu apenas seis pontos no segundo tempo e teve papel crucial na virada.

Nick Foles, é você mesmo?

Um dos tópicos mais falados antes do confronto entre Vikings e Eagles foi a possibilidade de ser um jogo completamente dominado pelas defesas, que estão entre as melhores da NFL. Isto foi aprofundado pelo fato da expectativa geral ser de que ambos os quarterbacks teriam dificuldades para lidar com a pressão e com o frio de Philadelphia. Contudo, de forma totalmente inesperada, Nick Foles teve uma partida épica e comandou o passeio dos donos da casa, que venceram sem sustos para alcançar o Super Bowl após 13 anos, quando perderam para o mesmo Patriots no Super Bowl XXXIX.

Foles tomou ótimas decisões quando foi pressionado, manteve o ritmo do ataque, converteu terceiras descidas com frequência e atacou a defesa do Vikings em profundidade. Assim, completou 26 de 33 passes para 352 jardas e três touchdowns. Resta a dúvida se será capaz de manter este nível de atuação contra o Patriots.

Muitos méritos para a comissão técnica do Eagles

Na semana passada, Foles também teve ótimos números, mas pareceu ser mais um produto do grande trabalho dos técnicos. Já nessa rodada, o QB teve um desempenho realmente espetacular, mas ainda assim é preciso colocar muito crédito na conta da equipe de treinadores. O plano tático do Eagles explorou muito bem rotas rápidas, contou com uma linha ofensiva muito física, que abriu ótimas oportunidades para Jay Ajayi e LeGarrette Blount e possibilitou que play actions e passes em profundidade pudessem ser chamados com maior grau de eficiência. Era possível perceber que em toda jogada existia algum recebedor livre. Por isso, muitos méritos para Doug Pederson, que conseguiu superar as perdas de Carson Wentz, Jason Peters e Darren Sproles e substituí-los sem queda significativa de desempenho. Além disso, fez um grande trabalho ao aclimatar Foles no ataque e colocá-lo em posição de ter sucesso.

Também é preciso destacar o coordenador defensivo Jim Schwartz, que comandou uma unidade que pressionou Case Keenum de forma constante, limitou o ataque terrestre e forçou turnovers em momentos importantes para virar a maré do jogo. Assim, o time não sofreu pontos depois do touchdown na primeira campanha da partida e foi grande responsável por uma vitória tranquila e terá papel fundamental nas pretensões do time de conquistar seu primeiro título.

O lado do Vikings

A primeira campanha do Vikings foi tão bem sucedida que parecia que teríamos um jogo de muitos pontos. No entanto, as esperanças da equipe se tornar a primeira a jogar o Super Bowl em casa ruíram ainda no primeiro tempo, graças aos turnovers forçados pelo Eagles. No primeiro deles, Keenum fez um passe ruim que acabou nos braços do CB Patrick Robinson, que realizou um belo retorno para empatar o jogo em 7 a 7.

O segundo veio quando Minnesota estava abaixo no placar por 14 a 7 e avançava para tentar empatar. Com a bola já dentro da red zone, Derek Barnett se aproveitou de um péssimo bloqueio do TE para forçar um fumble em Keenum, que foi recuperado por Chris Long. Philadelphia logo capitalizou o roubo de bola em um TD e deixou tudo mais complicado.

Mesmo no lado defensivo o Vikings encontrou dificuldades, com uma série de tackles perdidos e falhas em coberturas que deixaram recebedores livres. Dessa forma, o time nunca teve uma grande chance de voltar ao placar e tudo pareceu definido quando o Eagles voltou do intervalo e anotou um touchdown para deixar a diferença em 31 a 7.

Este foi um grande banho de água fria para o Vikings, que viveu um momento espetacular na semana passada, mas acabou eliminado de maneira cruel. Assim, o time soma à estatística de que os últimos seis times que venceram nos playoffs com um touchdown quando o relógio estava zerado foram derrotados na partida seguinte por uma média de 24 pontos de diferença. Muito disso se deve ao emocional, que vai ao limite em uma situação como a vivida em Minnesota na partida contra o Saints e afeta qualquer um, mesmo os grandes atletas da NFL.

Compartilhe

3 Comentários

  1. A defesa dos patriots consegui para o jogo corrido dos Jarguars no segundo tempo foi o ponto fundamental para a Vitória dos patriots. E impressionante como o Amendola cresce na pós temporada, uma curiosidade a última vez que um time foi para o super bowl tendo ganho fora de casa foi em 2012 com Ravens e 49ears

  2. João, parabéns por sua análise sobre os jogos e os times, sempre no ponto certo. Acompanhei os seus artigos durante toda a temporada, espero que em 2018 continue escrevendo sobre a temporada.

Leave A Reply