O alto preço do Bucs para Roberto Aguayo pode sair ainda mais caro

30 de agosto de 2016
Tags: buccaneers, Gabriel Plat, matérias,

aguayo

Entre as maiores surpresas do Draft de 2016, nenhuma chegou perto de uma das escolhas da segunda rodada. Tendo a 59ª escolha geral do Draft, o Tampa Bay Buccaneers selecionou o kicker de Florida State, Roberto Aguayo. Se isso já te choca o suficiente, vale lembrar que o Bucs não era o detentor original dessa escolha. Isso mesmo, houve uma troca. O Bucs cedeu suas escolhas de terceira e quarta rodada para voltar para a segunda rodada — já havia selecionado o DE Noah Spence no começo do round — e selecionar Aguayo. Junto com a troca, é claro, vieram as intermináveis críticas.

Entre elas, a principal foi justamente a que você deve estar pensando nesse momento: realmente era necessário selecionar um kicker na segunda rodada? E pior: trocar suas escolhas de terceira e quarta rodada para isso? A resposta é provavelmente não. Apesar de, estatisticamente, Aguayo ser o melhor kicker da história do futebol americano universitário, não é difícil acreditar que ele poderia estar disponível na escolha de terceira rodada que o Bucs trocou — ou até a escolha de quarta. Mas Tampa Bay não preferiu arriscar e, olhando o histórico do time, é algo que dá para se entender.

O ano de 2015 foi terrível para o Bucs em termos de kickers. Na pré-temporada, o time fez uma troca para pegar o K Kyle Brindza, do Detroit Lions, e ele foi terrível. Brindza teve um aproveitamento de míseros 50% em field goals e 75% em extra points, que deveriam ser pontos quase que “automáticos”. Não é preciso dizer que Brindza pouco durou em Tampa Bay, sendo dispensado após quatro jogos. Connor Barth, seu substituto, foi melhor, mas não tão bem assim, com 82% dos field goals convertidos e ainda errando um ponto extra. Em 2016, o Bucs preferiu arriscar no Draft do que arriscar perder mais jogos por conta de erros de seus kickers.

E é aí que entra o problema.

Já pressionado por ter números melhores que qualquer outro kicker da história da NCAA, Aguayo recebeu uma pressão ainda maior por ter sido selecionado na segunda rodada. Afinal, o jogador precisa justificar o valor investido nele e isso gerou uma expectativa enorme em cima do jogador. E ao menos na pré-temporada, Aguayo mostrou alguns reflexos disso.

Em FSU, Aguayo se tornou o kicker mais preciso da história da NCAA

Em FSU, Aguayo se tornou o kicker mais preciso da história da NCAA

Nas duas primeiras partidas da preseason, Aguayo errou três de sete chutes, aproveitamento baixíssimo. Criticado de certa forma no college por não chutar field goals de longa distância para preservar seus números, Aguayo se viu em uma situação inédita, onde estava errando os chutes que antes eram automáticos. Dos três chutes errados, apenas um foi acima de 40 jardas de distância. Aguayo também perdeu um extra point (33 jardas) e estava sendo criticado por não conseguir touchbacks suficientes nos kickoffs. A pressão foi tão grande que Aguayo passou a errar field goals simples também nos treinos, o que fez com que o Bucs o poupasse de chutes em alguns treinamentos justamente para trabalhar com o psicológico do jogador.

Na terceira semana da pré-temporada, porém, Aguayo começou a mostrar seu potencial. Contra o Cleveland Browns, Aguayo esteve 100% em field goals (3 de 3, incluindo um de 48 jardas), pontos extras (3 de 3) e até em touchbacks vindo de kickoffs (7 de 7). O jogo era exatamente o que Aguayo precisava para dar uma injeção de ânimo.

Olhando o histórico de kickers selecionados no começo do Draft, vimos que faltou paciência para os times em muitos casos. Com exceção de Jason Hanson e Steven Janikowski, que permaneceram no mesmo time por mais de 10 anos, outros kickers pouco duraram no time que o selecionou no recrutamento. Dos 10 kickers selecionados nas duas primeiras rodadas da história do NFL Draft, poucos duraram mais de três temporadas com seu time original, ou até na NFL em si. E o que pode explicar esse movimento de “busts” é essa expectativa extremamente alta devido à escolha que os kickers foram selecionados.

É inegável dizer que Roberto Aguayo tem potencial para ser um ótimo kicker, mas é preciso paciência. Antes de tudo, ele ainda é um calouro e precisa lidar com toda a pressão que o futebol americano profissional coloca sobre os kickers. Pelo alto preço investido pelo Buccaneers, Aguayo merece paciência com seus erros. Se bem trabalhado, seu desempenho tem tudo para evoluir de forma fantástica e consolidar o jogador como um dos melhores da liga. Por mais que a pressão tenha sido menor, pudemos ver essa evolução com o Cairo Santos, que não começou muito bem no Chiefs e hoje já está com um desempenho muito sólido, e até em Dan Bailey, que começou sua carreira no Cowboys errando field goal de 20 jardas e hoje é um Pro Bowler.

Caso o Bucs se deixe levar pelo mau desempenho de seus kickers em 2015 e exija ótimas performances de Aguayo logo de cara, é provável que ele não renda o esperado. Se isso acontecer, o Buccaneers fará com que a escolha de Roberto Aguayo tenha sido ainda mais cara do que o investido no fim de abril.

Postagens Relacionadas









Gabriel Plat acompanha a NFL desde 2009 e se tornou completamente obcecado pelo esporte. Editor da Liga dos 32 e também editor-chefe do portal Blue Star Brasil. Responsável por uma matéria semanal e revisão. Está no twitter como @gabrielplat.