Notas e Análises do Draft 2016 – NFC

5 de maio de 2016
Tags: análise, draft, matérias, nfc, notas, rodrigo perrotta,

carson wentz eagles

Vamos encarar a complicada missão de avaliar como se saíram as equipes no Draft de 2016. É sempre um risco avaliar jogadores que ainda nem fizeram seu primeiro treino entre os profissionais, todos nós conhecemos exemplos de jogadores que chegaram na NFL com grandes expectativas e se tornaram decepções, assim como têm tantos outros que entraram pela porta dos fundos e se tornam grandes estrelas. Após as notas da AFC, vamos analisar aqui as escolhas de cada time da NFC, baseada nos jogadores selecionados e necessidades preenchidas:

NFC LESTE

logo redskins WASHINGTON REDSKINS

#22 WR Josh Doctson – TCU
#53 S Su’a Cravens – USC
#84 CB Kendall Fuller – Virginia Tech
#152 DT Matt Ioannidis – Temple
#187 QB Nate Sudfeld – Indiana
#232 ILB Steven Daniels – Boston College
#242 RB Keith Marshall – Georgia

O time de Washington precisava reforçar o grupo de recebedores, mas não acreditava que isso iria acontecer logo com a primeira escolha deles no evento. Com Josh Doctson no elenco, agora a franquia tem um alvo grande que pode brigar por bolas altas, o que DeSean Jackson e Pierre Garçon não proporcionavam. Vale lembrar que a dupla de veteranos tem apenas mais um ano de contrato cada, então o Redskins tratou logo de selecionar seu WR para o futuro. Na segunda rodada, Su’a Cravens pode se transformar em uma das mais interessantes quando a temporada regular começar, pois ele pode fazer o papel de defensor híbrido que está virando tendência na NFL. Para fechar o grupo de atletas que podem ter impacto logo de cara, Kendall Fuller era cotado como um dos melhores CBs até uma lesão no joelho derrubá-lo nas listas das equipes. Se saudável, pode formar uma dupla titular ao lado de Josh Norman ou ao menos ser uma das principais peças na rotação. Keith Marshall, o último escolhido, num primeiro momento chega para complementar as corridas de Matt Jones, mas não ficaria surpreso se ele assumisse a titularidade em algum momento da temporada.

NOTA: 9,0 

logo eagles PHILADELPHIA EAGLES

#2 QB Carson Wentz – North Dakota State
#79 C Isaac Seumalo – Oregon State
#153 RB Wendell Smallwood – West Virginia
#164 OT Halapoulivaati Vaitai – TCU
#196 CB Blake Countess – Auburn
#233 S Jalen Mills – Louisiana State
#240 DE Alex McCalister – Florida
#251 ILB Joe Walker – Oregon

Parece que Ryan Matthews, se não sofrer nenhuma lesão, será mesmo o principal corredor do Eagles para a próxima temporada. Tudo bem que a classe de RBs não era lá tão excepcional, mas existiam nomes melhores do que Wendell Smallwood para compor o time da Philadelphia após a saída de DeMarco Murray. Além disso, o grupo de CBs atualmente não é dos mais confiáveis e um reforço através do Draft teria sido ideal – Jalen Mills pode ser essa supresa -, levando em consideração que Blake Countess vai precisar buscar seu espaço no elenco. Carson Wentz ainda não é um QB pronto para a NFL e, pagando caro por Sam Bradford – agora insatisfeito – e Chase Daniel, não consigo entender esse esforço todo do Eagles pelo jogador. Após a troca para subir até a 2ª posição geral no evento, a franquia não tinha tantas possibilidades, mas, pelo menos, conseguiu jovens atletas para ajudarem na linha ofensiva.

NOTA: 6,5

logo giants NEW YORK GIANTS

#10 CB Eli Apple – Ohio State
#40 WR Sterling Shepard – Oklahoma
#71 S Darian Thompson – Boise State
#109 ILB B.J. Goodson – Clemson
#149 RB Paul Perkins – UCLA
#184 TE Jerell Adams – South Carolina

Muita gente ficou chocada com Eli Apple sendo a 10ª escolha geral do Draft, mas consigo entender o pensamento do time de New York aqui. Ele ainda precisa melhorar em alguns aspectos, mas era um dos nomes com mais talento da classe. Com Dominique Rodgers-Cromartie e Janoris Jenkins absolutos na secundária na próxima temporada, a franquia vai ter o tempo necessário para o desenvolvimento de Apple, que nesse início deve trabalhar marcando o meio do campo e no futuro se tornar o titular em pouco tempo. Sterling Shepard pode dar muito certo e tornar o grupo de recebedores do Giants algo extremamente veloz ao lado de Odell Beckham Jr. Sem tantas escolhas no evento, os demais jogadores foram bons nomes para o elenco onde precisavam de reforços, principalmente nos LBs, que agora conta com B.J. Goodson para o setor, e na secundária, que tem Darian Thompson para brigar por posição.

NOTA: 7,5 

logo cowboys DALLAS COWBOYS

#4 RB Ezekiel Elliot – Ohio State
#34 OLB Jaylon Smith – Notre Dame
#67 DT Maliek Collins – Nebraska
#101 DE Charles Tapper – Oklahoma
#135 QB Dak Prescott – Mississippi State
#189 CB Anthony Brown – Purdue
#212 S Kavon Frazier – Central Michigan
#216 RB Darius Jackson – Eastern Michigan
#217 TE Rico Gathers – Baylor

Se existe algum time que ousou bastante no Draft de 2016 foi o Dallas Cowboys. Primeiramente, com Ezekiel Elliott logo na 4ª escolha geral, a equipe mostrou que não liga para o passado na posição em anos anteriores e agora conta um talentoso atleta que pode fazer estragos correndo atrás da melhor linha ofensiva da NFL. Como se já não bastasse, o Cowboys resolveu arriscar e trouxe Jaylon Smith, deve perder a temporada inteira com uma lesão séria no joelho, mas saudável talvez seja o melhor atleta de toda a classe. O time de Dallas achou o novo reserva de Tony Romo na 4ª rodada e aposta no desenvolvimento de Prescott para, quem sabe, assumir um dia a titularidade. Para completar o grupo de decisões arriscadas, essa um pouco menos importante que as outras, Rico Gathers, ex-jogador de basquete na universidade de Baylor, vai lutar pelo seu espaço no elenco e, se olharmos o histórico de TEs que passaram pelas quadras antes dos gramados da NFL, isso até pode dar certo.

NOTA: 7,0 

NFC NORTE

logo vikings MINNESOTA VIKINGS

#23 WR Laquon Treadwell – Ole Miss
#54 CB Mackensie Alexander – Clemson
#121 OG Willie Beavers – West Michigan
#160 ILB Kentrell Brothers – Missouri
#180 WR Moritz Boehringer – Schwäbisch Hall Unicorns (Alemanha)
#188 WR David Morgan – Texas
#227 OLB Stephen Wheterly – Vanderbilt
#244 S Jayron Kearse – Clemson

O Vikings não era uma equipe com grandes necessidades, mas conseguiu resolver as poucas que tinham com ótimas escolhas ao longo dos três dias de evento em Chicago. A franquia abriu um grande sorriso quando viu Laquon Treadwell disponível na 23ª geral e sem pensar duas vezes selecionou seu novo recebedor principal. De brinde, ainda trouxe dois novos nomes para dar profundidade a posição, incluindo a sensação alemã Moritz Boehringer. Mackiense Alexander na metade final da segunda rodada foi outro grande achado da equipe de Minnesota e ele deve contribuir bastante para o setor desde a primeira rodada da temporada regular. Um pouco mais longe dos holofotes, Jayron Kearse pode ser trabalhado para ganhar um lugar na rotação da secundária, a parceria com Alexander nos tempos de Clemson pode ajudar.

NOTA: 9,0

logo packers GREEN BAY PACKERS

#27 DT Kenny Clark – UCLA
#48 OT Jason Spriggs – Indiana
#88 OLB Kyler Fackrell – Utah State
#130 ILB Blake Martinez – Stanford
#137 DE Dean Lowry – Northwestern
#163 WR Trevor Davis – California
#200 OT Kyle Murphy – Stanford

Com a mesma filosofia de apostar sempre no Draft, o Packers fez o que está acostumado a fazer. Para muitos, Kenny Clark não era o melhor DT disponível, mas Mike McCarthy sabe exatamente como trabalhar o atleta para ele ser o sucessor de B.J. Raji na linha defensiva. A linha ofensiva também ganhou reforços e Jason Spriggs deve chegar com bastante tempo de jogo para assumir a posição na próxima temporada, quando os contratos de David Bakhitari, T.J. Lang e Josh Sitton chegam ao fim. A posição de ILB era a que mais precisava de novos nomes e ganhou um, mas tenho minhas dúvidas sobre a qualidade de Blake Martinez, pelo menos num primeiro momento não parece dar a tranquilidade necessária a comissão técnica para Clay Matthews ficar apenas como OLB nas partidas da equipe de Green Bay.

NOTA: 7,0 

logo lions DETROIT LIONS

#16 OT Taylor Decker – Ohio State
#46 DT A’Shawn Robinson – Alabama
#72 C Graham Glasgow – Michigan
#111 S Miles Killebrew – Southern Utah
#151 OT Joe Dahl – Washington State
#169 OLB Antwione Williams – Ga. Southern
#191 QB Jake Rudock – Michigan
#202 DE Anthony Zettel – Penn State
#210 LS Jimmy Landes – Baylor
#236 RB Dwayne Washington – Washington

A escolha de primeira rodada, mesmo sendo uma necessidade da equipe, não me agradou tanto, mas o Lions compensou muito bem com A’Shawn Robinson na segunda. Taylor Decker era cotado para sair no final da primeira noite ou talvez até no início da segunda e, se for titular na ponta da linha ofensiva em Detroit, vai sofrer um pouco até se adaptar a NFL. Enquanto isso, Robinson chega como um dos melhores DTs da classe e pode ser o nome de confiança na posição, algo que faltou ano passado após as saídas de Ndamukong Suh e Nick Fairley. A franquia gastou outras duas escolhas com nomes para a rotação no setor de proteção no ataque e as demais são jogadores que devem brigar por um espaço no elenco.

NOTA: 6,5 

logo bears CHICAGO BEARS

#9 OLB Leonard Floyd – Georgia
#56 OG Cody Whitehair – Kansas State
#72 DE Jonathan Bullard – Florida
#113 ILB Nick Kwiatowski- West Virginia
#124  S Deon Bush – Miami
#127 CB Deiondre’ Hall – Northern Iowa
#150 RB Jordan Howard – Indiana
#185 S DeAndre Houston-Carson – William & Mary
#230 WR Daniel Braverman – Western Michigan

O time de Chicago está em modo de reconstrução e a diretoria vem trabalhando firme, e muito bem, desde o final da temporada passada. Após uma ótima atuação no mercado de transferências, a equipe conseguiu repetir o sucesso selecionando os atletas universitários. Leonard Floyd é um grande talento e tem o tamanho necessário para ser o pesadelo dos QBs adversários, é verdade que ainda precisa ganhar um pouco mais de músculo, mas isso com certeza será trabalhado na NFL. Além dele, o Bears conseguiu na terceira rodada em Jonathan Bullard outro nome para ajudar na pressão, a principal necessidade da equipe antes do Draft. Como se já não bastasse, a franquia ainda escolheu Cody Whitehair, considerado por muitos como o melhor OG puro da classe, na segunda noite e ele vai contribuir demais na proteção e na abertura de espaços para as corridas. Daniel Braveman, último atleta escolhido, pode ser uma das surpresas no elenco ao longo do ano.

NOTA: 9,0

NFC SUL

logo panthers CAROLINA PANTHERS

#30 DT Vernon Butler – Louisiana Tech
#62 CB James Bradberry – Samford
#77 CB Daryl Worley – West Virgínia
#141 CB Zack Sanchez – Oklahoma
#252 TE Beau Sandland – Montana State

Com apenas cinco escolhas em todo o evento, o Carolina Panthers não tinha muito para onde correr, mas mesmo assim levantou algumas dúvidas. Com as saída de Josh Norman, Charles Tillman e Cortland Finnegan, era esperado um reforço para a posição de CB ou novos nomes para melhorar a linha ofensiva durante a primeira noite do evento. Entretanto, o que vimos na primeira rodada foi a escolha de Vernon Butler para um setor que já conta com Kawann Short e Star Lotulelei e, provavelmente, teria nomes interessantes disponíveis em outras rodadas devido a profundidade da classe. Menos mal que a franquia usou suas três escolhas seguintes para pegar os CBs que tanto precisa. Os nomes podem até ser questionáveis, mas não podemos dizer que o Panthers não investiu no setor.

NOTA: 6,5

logo falcons ATLANTA FALCONS

#17 S Keanu Neul – Florida
#52 LB Deion Jones – LSU
#81 TE Austin Hooper – Stanford
#115 OLB De’Vandre Campbell – Minnesota
#195 OG Wes ScSchweitzer – San Jose State
#238 WR Devin Fuller – UCLA

Assim como seus rivais de divisão, o time de Atlanta também não possuía tantas escolhas ao seu dispor no Draft. Porém, os dois primeiros selecionados podem adicionar grande qualidade a defesa logo na primeira rodada da temporada regular. Muita gente considerou Keanu Neal como um jogador que saiu antes do esperado, mas a posição era uma grande necessidade do Falcons e a franquia foi atrás do melhor nome disponível para acabar com isso. Já Deion Jones pode ser uma grande surpresa e assumir a titularidade ao longo da temporada ou até já na primeira semana. A única coisa que senti falta foi um atleta de respeito para ajudar na pressão ao adversário, mas a franquia conseguiu se virar bem com as opções que tinha.

NOTA: 7,0

logo saints NEW ORLEANS SAINTS

#12 DE Sheldon Rankins – Louisville
#47 WR Michael Thomas – Ohio State
#61 S Vonn Bell – Ohio State
#120 DT David Onyemata – Manitoba (Canadá)
#237 RB Daniel Lasco – California

Mais uma equipe da NFC Sul limitada de escolhas, o Saints fez uma verdadeira mágica com muito pouco. Sheldon Rankins na primeira rodada era uma pedra cantada há muito tempo e ele pode ser um reforço gigante para uma das piores defesas da NFL nos últimos anos. A franquia merece aplausos por conseguir Vonn Bell, um talento de final de primeira ou início de segunda rodada, quase na terceira noite. Ele chega para brigar pela titularidade e pode formar uma dupla jovem e bem talentosa ao lado de Kenny Vaccaro. Para fechar as boas decisões, Michael Thomas não é aquele recebedor principal que vai liderar a NFL em jardas ou TDs, mas encaixa muito bem no estilo de ataque do time de New Orleans e Drew Brees sabe exatamente como tirar o melhor de seus recebedores.

NOTA: 8,0

logo buccaneers TAMPA BAY BUCCANEERS

#11 CB Vernon Hargreaves III – Florida
#39 LB Noah Spence – Eastern Kentucky
#59 K Robert Aguayo – Florida State
#108 CB Ryan Smith – North Carolina Central
#148 OT Caleb Benenoch – UCLA
#183 OLB Devante Bond – Oklahoma
#197 FB Dan Vitale – Northwestern

O primeiro grande negócio do Buccaneers no Draft foi a troca com o Chicago Bears onde ganharam uma escolha na 4ª rodada e ainda assim escolheram o jogador que desejavam desde o início. Vernon Hargreaves vai aprender bastante com Brent Grimes e Alterraun Verner e pode até beliscar uma vaga na equipe titular, mesmo assim é um excelente nome para o futuro, os torcedores podem ficar bem seguros. Noah Spence na segunda noite de evento representa um grande risco, mas se o jogador ficar longe dos problemas será uma grande adição para a defesa. Senti falta de pelo menos um nome de peso para a linha ofensiva – muito reforçada no ano passado com atletas jovens -, mas parece que a diretoria está segura de seu trabalho. O time sofreu com seus Kickers na temporada passada e foi atrás do atleta com o melhor aproveitamento de chutes na história da NCAA para resolver esse problema de uma vez por todas. Porém, não precisava ter feito uma troca para subir até a segunda rodada e selecioná-lo.

NOTA: 7,0

NFC OESTE

logo cardinals ARIZONA CARDINALS

#29 DT Robert Nkemdiche – Ole Miss
#92 CB Brandon Williams – Texas A&M
#128 C Evan Boehm – Missouri
#167 S Marqui Christian – Midwestern State
#170 OL Cole Toner – Harvard
#205 CB Harlan Miller – Southeastern Louisiana

O Arizona Cardinals não era uma equipe com tantas necessidades assim, então pôde arriscar logo na primeira rodada. Apesar dos problemas extracampo, Robert Nkemdiche é um dos grandes talentos de toda a classe e, se ficar longe das distrações, vai poder tornar a defesa da franquia – junto com Chandler Jones – em uma das mais temidas da liga. As demais escolhas foram para dar profundidade nas posições, mas Bruce Arians sabe muito bem o que vai fazer com esses novatos em seu time, já que é responsável pelo desenvolvimento de Emmanuel Sanders, Mike Wallace e Antonio Brown em seus tempos no Steelers e no Cardinals conseguiu ajudar Chris Johnson a reviver seus melhores momentos.

NOTA: 7,0

logo seahawks SEATTLE SEAHAWKS

#31 OT Germain Ifedi – Texas A&M
#49 DT Jarran Reed – Alabama
#90 RB C.J. Prosise – Notre Dame
#94 TE Nick Vannett – Ohio State
#97 OG Rees Odhiambo – Boise State
#147 DT Quinton Jefferson – Maryland
#171 RB Alex Collins – Arkansas
#215 C Joey Hunt – TCU
#243 WR Kenny Lawler – California
#247 RB Zac Brooks – Clemson

A principal missão do Seahawks no Draft era conseguir o maior número possível de jogadores para proteger Russell Wilson na linha ofensiva. Não fui muito bem isso que aconteceu, mas a equipe conseguiu adicionar excelentes valores ao seu elenco. As duas primeiras escolhas da franquia devem ser titulares desde a primeira semana e devem melhorar seus respectivos setores. Nick Vannett pode ser um bom complemento para Jimmy Graham, assim como Alex Collins e C.J. Prosise formarão um jovem e talentoso grupo de RBs ao lado de Thomas Rawls nessa fase pós-Lynch em Seattle.

NOTA: 8,0

logo rams LOS ANGELES RAMS

#1 QB Jared Goff – California
#110 TE Tyler Higbee – Western Kentucky
#117 WR Pharoh Cooper – South Carolina
#177 TE Temarrick Hemingway – South Carolina State
#199 LB Josh Forrest – Kentucky
#206 WR Michael Thomas – Southern Miss

Se existe um time que eu não gostei no Draft de 2016 foi o Los Angeles Rams. É verdade que a franquia estava bem limitada após a troca para subir até a primeira posição, mas esperava um pouco mais quando estavam no relógio para fazer as escolhas. Tirando Jared Goff, que será o titular e vai carregar nas costas uma grande pressão na nova cidade da franquia, os outros atletas não devem ter impacto imediato, longe disso, e, num primeiro momento, devem apenas compor o elenco. O time deu o azar com a classe de TEs, uma das piores dos últimos anos, e posição era uma das necessidades após a saída de Jared Cook. O problema crônico com os WRs deve continuar e parece que Todd Gurley vai carregar o ataque novamente.

NOTA: 6,0

logo 49ers SAN FRANCISCO 49ERS

#7 DE DeForest Buckner – Oregon
#28 OG Joshua Garnett – Stanford
#68 CB Will Redmond -Mississippi State
#133 CB Rashard Robinson – LSU
#142 DE Ronald Blair – Appalachian State
#145 OT John Theus – Georgia
#174 OT Fahn Cooper – Mississippi
#207 QB Jeff Driskel – Louisiana Tech
#211 RB Kelvin Taylor – Florida
#213 WR Aaron Burbridge – Michigan State
#249 CB Prince Charles Iworah – Western Kentucky

Depois de ser totalmente apático no mercado de transferências mesmo tendo bastante espaço no teto salarial, pelo menos o 49ers fez um bom trabalho recrutando os talentos universitários. DeForest Buckner vai cair como uma luva na defesa da equipe e ao lado de Arik Armstead, seu ex-companheiro de faculdade, vai realizar parte do sonho de Chip Kelly em montar um time inteiro de atletas que estudaram em Oregon. Brincadeiras a parte, achei um pouco desnecessário a franquia trocar escolhas para ter outra na primeira rodada e selecionar Joshua Garnett, que não era o melhor OG nas listas de vários especialistas, porém, a posição era uma das principais necessidades no elenco e devemos admitir que o a diretoria fez a coisa certa em ir atrás de seu nome favorito. Além disso, teremos novos OTs e CBs no elenco, duas urgências que podem ser resolvidas com esses jovens atletas. A única coisa que senti falta foi um WR de qualidade para ajudar Colin Kaepernick ou Blaine Gabbert no ataque, mas, ao que parece, o 49ers está no caminho certo para sua reconstrução.

NOTA: 8,5

Postagens Relacionadas









Rodrigo Perrotta teve seu primeiro contato com a NFL em 2006, mas só em 2010 começou a se interessar por tudo ao redor da liga. A cada ano fica mais fascinado pelo esporte. Responsável pela edição e revisão dos textos publicados no site e por uma matéria semanal. No Twitter: @roddperrotta