Lendas da Liga – Steve Young

18 de julho de 2016
Tags: 49ers, a liga e a historia, lendas, paulo cesar, steve young,

150125175443-01-super-bowl-superlatives-restricted-super-169

Numa liga com vasta história como é a NFL, não são poucos os nomes que ajudaram na difusão do esporte ao redor do mundo bem como marcaram época pelo ótimo desempenho apresentado dentro de campo. Continuando a justa homenagem às Lendas da Liga, iremos conhecer um pouco mais sobre o QB que substituiu ninguém menos que Joe Montana na posição de titular do San Francisco 49ers, se tornando uma das maiores sucessões de QBs titulares na história da NFL. Sorte do 49ers que pôde substituir uma lenda com outra, neste caso, nossa justa homenagem para Steve Young.

LEIA MAIS: Lendas da Liga – Dick Butkus

John Steven Young nasceu em Salt Lake, Utah, no dia 11 de outubro de 1961. Desde muito jovem já demonstrava um tremendo atleticismo, já que durante seus anos no ensino médio foi co-capitão dos times de futebol americano, basquete, e beisebol da Greenwich High School, em Connecticut. Tal nomeação não veio de forma gratuita: ele teve média de 15 pontos por jogo no basquete, aproveitamento de quase 39% no beisebol e chegou até a arremessar um “no-hitter” (quando o arremessador titular completa uma partida sem ceder nenhuma rebatida). O irônico é que, se comparado com tais esportes, o desempenho de Young no futebol americano – esporte que o consagrou – foi o pior entre os três: apenas 41% dos passes completos pelo time de futebol no colegial e 1.220 jardas aéreas em duas temporadas como titular. Mesmo assim, foi recrutado por diversas universidades do país e acabou escolhendo BYU, quando todos davam como certo seu recrutamento para North Carolina, que na época usava o ataque triple option, visto como perfeito para um exímio atleta como Young.

Em BYU, Young demorou a encontrar seu melhor ritmo. Com uma baixíssima porcentagem de passes completos pelo Cougars nas primeiras temporadas, a comissão técnica cogitou movê-lo para DB visando aproveitar melhor seus talentos, mas Steve Young trabalhou duro para melhorar sua mira e foi recompensado com uma espetacular última temporada: foram quase 4.000 jardas aéreas e 33 passes para TDs, além de quase 600 jardas terrestres e 71% dos passes completos, um recorde na época. Guiou o programa ao recorde de 11-1 na temporada regular e ganhou diversos prêmios, como o Davey O’Brian Award (dado anualmente ao melhor QB da NCAA). Mesmo que não tenha vencido o Heisman Trophy, a temporada quase perfeita parecia um prenúncio do que faria entre os profissionais, mesmo que demorasse um pouco mais para brilhar na NFL.

LEIA TAMBÉM: Lendas da Liga – Ray Lewis

steve young

Como já vimos em outros textos, a NFL nem sempre foi a liga que deteve a hegemonia no esporte como é nos dias de hoje. Após terminar sua carreira universitária, Steve Young tinha duas opções: assinar com o Cincinnati Bengals, que publicamente declarou que selecionaria o QB com a primeira escolha do Draft de 1984 ou então desbravar os caminhos da USFL, uma organização rival à NFL que buscava contratar os melhores jogadores universitários para difundir sua marca em todo o país. Enquanto a franquia da NFL ofereceu um contrato de “apenas” U$3,5M que sequer estariam garantidos para o jovem QB, Young foi seduzido pela proposta do bilionário dono do Los Angeles Express da USFL, que ofereceu um contrato de dez anos nos valor de U$40M com algumas estipulações absurdas. O contrato era basicamente válido por quatro anos, pois após isso Young era livre para sair do time e continha uma cláusula que a equipe tinha 43 anos para pagar todo o montante (ou até o ano de 2027). Young não chegou a receber tal anuidade, pois concordou em receber um valor estipulado e simplesmente anular o contrato. Declarou o seguinte sobre o episódio: “Nunca recebi dinheiro em anos posteriores. O dono da equipe era maluco, assinou um documento colocando seu nome como o responsável pelo pagamento de alguém por quase 45 anos. Então me deu a opção de receber um bom valor para a época, algo em torno de U$900 mil a U$1M, não me lembro bem, então simplesmente peguei o dinheiro. É incorreto afirmar que recebi algo após isso.”

O fiasco do contrato só não foi maior do que a USFL em si. Relatos dão conta que os jogadores pagavam do próprio bolso pelo aluguel do ônibus e pagamento dos motoristas e equipes de apoio durante os jogos da temporada. Young chegou a jogar várias partidas como RB devido à ausência de um jogador da posição na equipe e após a turbulenta campanha de 1985, a USFL declarou falência após vários processos abertos por jogadores e Young decidiu ir para a NFL.

Após ser selecionado pela Tampa Bay Buccaneers com a primeira escolha do Draft Suplemental para atletas da CFL e USFL, Young teve duas temporadas para se esquecer pelo time da Florida: apenas três vitórias em 19 partidas como titular, com onze passes para TDs e 21 INTs, muito em função do péssimo time que o Buccaneers tinha na época e velhos problemas do próprio QB com a porcentagem de passes completos. Com a primeira escolha do Draft de 1987, a franquia selecionou Vinny Testaverde, abrindo espaço para a troca que levou Young ao 49ers na mesma temporada, onde o melhor desempenho do QB aflorou. No San Francisco 49ers, ele era visto como um bom reserva para o lendário QB Joe Montana e assim ficou das temporadas de 1987 até 90, atuando em algumas partidas em função de lesões do titular e compilou bons números em tais temporadas, como 23 passes para TDs contra apenas 6 INTs. Contudo, no jogo do título da NFC da temporada de 1990, Montana machucou o pulso e acabou por ficar de fora de toda a temporada seguinte, finalmente abrindo espaço para o plano de Steve Young ser o titular.

steve young joe montana

Porém, ele também teve diversos problemas de lesão durante a temporada de 1991 e foi substituído por Steve Bono, que obteve um desempenho tão bom que o técnico George manteve Young no banco, mesmo quando ele finalmente parecia saudável. Entre idas e vindas da dupla, nenhum conseguiu se estabelecer como o titular da posição e na temporada seguinte isto só piorou, pois foi quando Joe Montana dava indícios que estava se recuperando, deixando o técnico com uma enorme incógnita de quem seria o titular do San Francisco 49ers. Steve Young capitalizou nas oportunidades que teve durante a temporada de 1992, ao começar a maioria dos jogos como titular e compilar 3.465 jardas aéreas com 25 passes para TDs, em desempenho que lhe rendeu o prêmio de MVP da temporada regular daquele ano, abrindo caminho para uma drástica decisão na temporada seguinte.

Antes da temporada de 1993, o dono do 49ers, Eddie DeBartolo Jr, declarou publicamente que desejava Joe Montana como titular, o que gerou uma verdadeira divisão do elenco entre os que apoiavam Montana ou Young, até que o próprio Joe Montana pediu para ser trocado, marcando assim o início do período em que Young foi titular da equipe até sua aposentadoria alguns anos depois, não antes de marcar seu nome na história da NFL.

steve-young_pg_600

Após um início irregular, Young guiou o time a dez vitórias na temporada regular e quebrou diversos recordes da franquia, em campanha que só terminou no NFC Championship Game, quando foi derrotado pelo eventual campeão Dallas Cowboys. Na temporada seguinte, o 49ers assinou com o CB Deion Sanders e teve uma grande classe de recrutamento no Draft, visando finalmente buscar o título da NFL, e foi o que de fato aconteceu. Apoiado em uma temporada mágica de Steve Young, o 49ers parecia imbatível em certas alturas da temporada e chegou a vencer seis jogos seguidos por uma diferença de 20 ou mais pontos. Tamanho domínio só aumentou durante os Playoffs, com fáceis vitórias por 44 a 15 contra o Chicago Bears e 38 a 28 frente ao antigo algoz Dallas Cowboys. No Super Bowl XXIX, o 49ers não deu chance ao San Diego Chargers, em partida que discutivelmente foi uma das melhores performances de um QB no derradeiro jogo da temporada: Young lançou para 325 jardas, correu para outras 47 e teve seis passes para TDs na vitória fácil por 49 x 26, marcando a temporada de 1994 como a mais prolífica de sua carreira.

Após isso, os sinais da idade avançada de Young começaram a aparecer, pois o QB perdeu várias partidas devido as mais variadas lesões e concussões ao longo das temporadas. Mesmo assim, enquanto saudável, era um atleta confiável que sempre produzia bons resultados e com isso compilava ótimos números ao final de cada campanha, mesmo que não conseguisse obter o mesmo sucesso na pós-temporada, tendo agora como algoz o Green Bay Packers comandado por Brett Favre, responsável por três eliminações consecutivas. Em 1999, na semana 4 da temporada regular, Young sofreu um Sack do CB Aenas Wlliams do Arizona Cardinals e sofreu uma concussão que o tirou do restante da temporada. Ao final daquele ano, o 49ers lhe deu um ultimato: ou ele se aposentava ou seria dispensado, e mesmo que o Denver Broncos tivesse lhe oferecido a vaga titular,ele decidiu se aposentar, dando fim a carreira de uma verdadeira lenda da liga.

Informações de Steve Young na NFL (1985-1999):

  • 7 vezes escolhido para o Pro Bowl (1992. 1993, 1994, 1995, 1996, 1997 e 1998)
  • 3 vezes eleito para o All-Pro Team (1992, 1993 e 1994)
  • 2 vezes MVP da NFL (1992 e 1994)
  • 3 vezes campeão do Super Bowl (XXIII, XXIV e XXIX)
  • MVP do Super Bowl XXIX
  • 4 vezes líder da NFL em jardas aéreas (1992, 1993, 1994 e 1998)
  • Mais passes para TDs em um Super Bowl (6)
  • Camisa #8 aposentada pelo San Francisco 49ers
  • Hall da Fama (2005)

Postagens Relacionadas









Paulo César acompanha a NFL desde 2012, com o primeiro contato ocorrendo em 2010. Escreveu para o extinto “Colts Brasil” e HTE Sports. No site, escreve a coluna “Top 5”, às segundas, abordando listas com temas diversos semanalmente.