terça-feira, 10 de Abril de 2018

Compartilhe

Com o Draft de 2018 batendo a porta, cada vez mais rumores e hype são criados em tornos dos prospectos. No entanto, um nome vem ficando pra trás. É o caso de um dos Quarterback mais espetaculares da classe, Lamar Jackson. O prospecto de Louisville está sendo deixado de lado por comentaristas e torcedores que buscam um passador pra ser a cara da franquia. Muitos motivos podem ser apontados como causadores desse movimento, e nesse texto vamos debater alguns deles.

Estamos em 2018 e infelizmente esse ponto aqui ainda deve ser debatido, sim, o racismo. Seja intencional ou não, Lamar passa pelo estigma de todo Quarterback negro que chega para a NFL. “Ah mas ele só corre”e “Deveria fazer a transição para WR” são frases que escutamos constantemente na analise de Quarterbacks negros e na maioria esmagadora dos casos vem com uma carga de preconceito enraizado. A título de comparação, Jackson tem uma média de 8,51 jardas por passe, enquanto Josh Allen, querido de muitos neste Draft e apontado para o top 3 geral, tem 6,71. Se formos falar em jardas passadas a produção dos dois torna a comparação ainda mais absurda, enquanto Allen teve 1812 jardas na temporada, Lamar teve 3360. Ou seja, esqueça esse papo de que Jackson só corre.

Outro ponto importante é o fator mídia. Principalmente em programas de debate na TV americana, o nome de Lamar Jackson vem sendo esquecido. Propositalmente ou não, o fato de não integrar as rodas de debate e análise faz com que o seu nome caia em desuso, trazendo desta forma, uma queda involuntária. O hype é um dos maiores combustíveis do Draft. Os jogos acabaram em janeiro, a partir de então, só o que acontece são análises, além claro de eventos como Combine e Pro Day. Se um determinado jogador não está sendo comentado, menos pessoas estarão analisando, com menos pessoas analisando, detalhes se perdem. Detalhes esses que podem significar um erro nas avaliações… Jackson é o homem dos highlights, o fato de estar sendo pouco exibido é bastante estranho.

Agora que passamos por esses pré-conceitos, podemos pular para o que realmente interessa: campo, bola e talento individual.

Lamar Jackson já se provou em campo. O talento e capacidade de aprendizado que o vencedor do premio Heisman de 2016 mostrou ao longo dos anos é de se invejar. Como passador, vem se desenvolvendo a cada ano que passa. Cada vez mais confortável no pocket, com um processamento mental e leitura de jogadas mais rápida e uma precisão bastante sólida, o jogador é um consenso que pode ser treinado por qualquer comissão técnica sem muitos problemas. O seu teto é gigantesco, e nas mãos certas, pode se tornar uma poderosa arma ofensiva.

É claro, Jackson não é um Quarterback perfeito, tampouco é o número 1 da classe, mas a predisposição das pessoas a joga-lo para baixo incomoda. Nesta semana saiu um report na mídia americana indicando que provavelmente o jogador sairia na primeira rodada. Provavelmente! Lamar Jackson é indiscutivelmente um prospecto de primeira rodada, e em anos passados, com uma classe menos estrelada do que a deste ano, certamente top10. Podemos olhar piso, teto e talento, não existe uma alternativa que indique que Jackson é um prospecto a não sair no primeiro dia.

O que não significa que ele chegará na NFL e fará sucesso. Existem diversos fatores que podem ajuda-lo ou atrapalha-lo neste processo. Existem lesões, cenários e outras diversas variáveis que podem contribuir para o sucesso ou fracasso de qualquer jogador na Liga. O que está sendo analisado é o seu potencial como um prospecto.

Diversos times estão procurando um signall caller neste ano. Seja no inicio, seja no final, Lamar Jackson sairá na primeira rodada, e a situação em que ele cair vai ditar seu futuro. Sendo um contexto favorável ou não, ele dará o seu melhor em campo e vai se desenvolver. Demonstrou em todos esses anos na NCAA que está disposto a aprender e a melhorar. Se ele vai alcançar o sucesso, só o tempo dirá, mas que ele merece uma chance, isso ninguém pode duvidar.

 

Compartilhe