Fechando as Contas – Defesa do Giants

28 de dezembro de 2016
Tags: bruno gouvea, Fechando as Contas, giants,

Voltando ao site e com uma nova coluna, vou escrever sobre Salary Cap! O assunto abordado irá variar de acordo com a semana e poderá ser tanto focando em como determinado time está gastando seu dinheiro ou como um free agent pode ser pago, jogadores overpaid (recebe mais do que rende) ou underpaid (recebe menos do que rende), e até uma analise geral dos 32 times, comparando seus gastos por posições ou unidades. Nesta primeira semana, irei falar do New York Giants, com o foco na defesa que melhorou consideravelmente de um ano para o outro, muito motivada pelos investimentos feitos.

Em 2015, a defesa do New York Giants foi a pior da NFL em jardas cedidas com 420,3 por jogo e a terceira pior em pontos cedidos com 27,6 por jogo. Com números horríveis como estes, o General Manager Jerry Reese sabia que precisaria investir em sua defesa para tornar o time novamente competitivo.

Sendo assim, ele investiu a escolha de segunda rodada em 2015 e a primeira escolha de 2016 na secundária, selecionando o safety Landon Collins e o cornerback Eli Apple, além de mais duas seleções de terceira rodada (2015 e 2016), quando draftou Owa Odighizuwa e Darian Thompson. Esses novos nomes foram importantes para a melhora do setor, com o safety Landon Collins inclusive sendo selecionado para o pro bowl esta temporada. Porém, somente o Draft não seria o suficiente para mudar esta defesa de patamar. Reese também abriu os cofres na Free Agency e gastou 193,75 milhões de doláres (88,8 milhões garantidos) para trazer o DE Olivier Vernon, o DT Damon Harrison e o CB Janoris Jenkins, além de renovar o contrato do DE Jason Pierre Paul por 9,4 milhões.

Todos estes investimentos fizeram o Giants saltar de 50,60 milhões em 2015 (26º da liga) para 71,32 milhões em 2016 (9º da liga) no salário total de todos os jogadores de defesa somados na temporada. Estes números por si só já mostram uma grande evolução, mas eles ainda estão mascarados. O DE Olivier Vernon assinou um contrato de 85 milhões por 5 anos, o que significa 17,5 milhões de média por ano, porém em 2016 seu salário será ”somente” de 13 milhões e com isso nos anos seguintes será maior para atingir a média (2017: 16M / 2018: 17M / 2019: 19,5 M / 2020: 19,5M). O mesmo acontece com o CB Janoris Jenkins e o DT Damon Harrison que assinaram, respectivamente, salários de 62,5 milhões por 5 anos e 46,25 milhões por 5 anos. Em 2016, Jenkins receberá “somente” 8 milhões (2017: 15M / 2018: 13M / 2019: 13,5M / 2020: 13,5 M) e Harrison 6,6 milhões (2017: 10,6M / 2018: 9,6M / 2019: 8,6M / 2020: 10,85M).

A tática utilizada pelo Giants de pagar menos para o jogador no primeiro ano e mais nos anos seguintes é muito comum na NFL e se justifica principalmente pelo fato do Salary Cap (teto salarial) da liga aumentar em média entre 10 e 15 milhões a cada ano. Outro fator que ajuda a equipe de Nova Iorque é a forma como os bônus dos contratos foram distribuídos. Apesar de 88,8 milhões terem sido garantidos a estes 3 jogadores, os bônus estão concentrados em sua maioria nos dois primeiros anos de contrato. Sendo assim, se a equipe decidir cortar Vernon após a temporada de 2017, somente 12M dos 56M que ele teria que receber pelo triênio de 2018, 2019 e 2020 são garantidos. O mesmo acontece com Jenkins que tem somente 6M dos 39,5M nos últimos três anos de contrato sendo garantidos  e Harrison que tem 4,8M garantidos dos 29,05M nos últimos três anos.

No caso do DE Jason Pierre-Paul, o jogador vinha de uma lesão grave na mão que o tirou de grande parte da temporada de 2015 e que poderia fazer sua carreira nunca mais ser a mesma e, por isso, Reese ofereceu ao jogador somente um ano de contrato para que ele pudesse provar do que ainda era capaz. Jason Pierre-Paul vinha tendo uma temporada muito boa em 2016 até se machucar e agora deverá assinar um contrato mais longo e recebendo mais de 12 milhões por temporada, seja no Giants ou em algum outro time da liga. Como o defensive end é, junto com Johnathan Hankins, o principal free agent da equipe para 2017, é possivel que o Giants faça uma oferta para manter ambos os jogadores em Nova Iorque.

Hoje a equipe tem 28,20 milhões de espaço nas projeções do salary cap de 2017 e para a próxima temporada poderia suportar um novo salário de Pierre-Paul e Johnathan Hankins. O que pode fazer o GM Jerry Reese pensar em abrir mão de um dos jogadores é a quantidade de atletas que ainda estão com o salário de calouro e são jovens talentos que o Giants não vai querer se desfazer nos próximos anos. Em 2018, jogadores essenciais para a linha ofensiva serão free agents como Justin Pugh e Weston Richburg e nos anos seguintes Odell Beckham Jr. e Landon Collins também serão pagos.

Jerry Reese gastou o dinheiro da equipe que está aí justamente para isto, ser gasto! Os resultados estão aparecendo em campo e os três principais contratados pela equipe esta temporada estão jogando em alto nível. Juntando os veteranos bem pagos como Manning, Vernon, Pierre-Paul, Jenkins, Rodgers-Cromartie e Harrison com a juventude de jogadores ainda nos seus contratos de calouro como Beckham Jr, Collins, Apple, Hankins, Pugh e Richburg, o Giants já está classificado para os playoffs e com chances reais de chegar a mais um super bowl.

*Números relacionados a salários dos jogadores retirados do site overthecap.com, referencia no assunto.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook.

Postagens Relacionadas









Bruno Gouvêa começou a acompanhar a NFL em 2011 atraído por sua organização e competitividade. Selecionado para a equipe do site, escreve sobre Salary cap e também sobre o draft.