terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Compartilhe

No último domingo, o Kansas City Chiefs foi derrotado pelo New York Jets e acumulou sua sexta derrota nos últimos 7 jogos. A equipe, que largou na temporada com um retrospecto de 5-0, agora se vê empatada com Oakland Raiders e Los Angeles Chargers na briga pelo título da AFC Oeste. Porém, o momento do Chiefs não é nada animador para as últimas 4 partidas da temporada regular e não passa nenhuma confiança para o seu torcedor de que o mau momento possa estar perto do fim.

Um dos pontos mais discutidos nas últimas semanas é queda de produção do ataque de Kansas City. A equipe vinha encantando ofensivamente e parecia que se consolidaria como um dos melhores da temporada. Todavia, o que se vê hoje é um setor previsível e que não consegue fazer ajustes.

O setor ofensivo de Kansas City foi moldado ao redor de Alex Smith, onde o QB se sente confortável para fazer suas leituras, efetuando passes curtos e rápidos e que, contando com muito atleticismo de seus recebedores, resulta em ganhos de jardas consideráveis após a recepção.

Com a adição do RB Kareem Hunt nesse ano, o Kansas City ganhou uma excelente arma para deixar esse ataque ainda mais potente, pois o calouro tinha bastante força para correr entre os tackles e estava contando com excelentes bloqueios de sua linha ofensiva no início da temporada. Conforme o tempo passou, a OL do Chiefs passou a apresentar uma queda de rendimento significante, não conseguindo mais abrir os espaços necessários para que Hunt possa produzir.

Com a falta de um jogo corrido eficaz, as defesas pararam de lotar o box para conter as corridas do novato, impactando nas jogadas em profundidade do time. Alex Smith, que vinha soltando o braço com mais frequência no início do campeonato por conta do espaço que as corridas de Hunt proporcionavam no fundo do campo, voltou a ser o game manager que estávamos acostumados a ver em anos anteriores. Além disso, as defesas também passaram a pressionar os recebedores do Chiefs perto da linha de scrimmage, anulando de certa forma o ponto do jogo aonde Alex Smith se sente confortável, com passes curtos. Tirando Smith de sua zona de conforto é meio caminho andado para anular todo o setor ofensivo do Chiefs, uma vez que o QB gosta de jogar com uma margem de segurança e pensa duas vezes antes de arriscar.

Andy Reid falha aqui por não fazer os ajustes necessários para que o time volte a render – vale lembrar que o técnico é uma das melhores mentes ofensivas da NFL atual. Um sintoma de que o HC não consegue contornar esse problema foi que no último domingo as chamadas das jogadas foram feitas pelo OC Matt Nagy (era Reid quem tinha as rédeas do ataque em mãos anteriormente), que resultaram num ataque mais explosivo (basta ver que os 4 TDs anotados pelo Chiefs na partida foram em passes para mais de 20 jardas de Alex Smith). Resta saber se o playbook foi adaptado apenas para enfrentar a frágil secundária do New York Jets ou se é algo que vai se manter daqui para frente.

Outro ponto que merece destaque na má fase do Chiefs é a defesa da franquia. O time perdeu um dos seus principais jogadores, o S Eric Berry, logo após a Semana 1 com uma ruptura no Tendão de Aquiles. A secundária demonstra muitos problemas e cede, até aqui, uma média de 252,8 jardas aéreas por jogo (5ª pior marca da liga) e o CB Marcus Peters não demonstra a regularidade apresentada em anos anteriores (sua atitude em jogar a flanela amarela em direção à torcida do Jets no último domingo mostra o quanto o CB não nada bem). O front seven também apresenta problemas contra a corrida, sendo a 3ª pior franquia da NFL em 2017 no quesito, cedendo uma média de 129,4 jardas por partida (em todos os jogos desse ano o Chiefs cedeu mais de 100 jardas pelo chão para seus adversários). A defesa, que era sólida sob o comando do coordenador Bob Sutton regrediu e vem colocando a equipe em situação complicada. No confronto contra o Jets no último domingo, o setor foi principal responsável pelo revés da equipe.

Agora, o time enfrenta na sequência seus principais concorrentes pelo topo da AFC Oeste, ambos em casa. Na Semana 14 há o confronto contra o Oakland Raiders e o outro fim de semana reserva um embate contra o Los Angeles Chargers.  O Chiefs precisa encontrar equilíbrio para ter chances de sair vencedor dessas partidas e poder encaminhar sua vaga nos playoffs. Caso contrário, a temporada que tanto prometia terá um fim melancólico.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.