A inabilidade do Los Angeles Chargers em vencer jogos

25 de setembro de 2017
Tags: chargers, Giovani Natal, Notícias do Dia,

Como fãs da NFL que somos, ficamos numa grande expectativa para o início de uma nova temporada. Oito meses entre o término da temporada que passou e o inicio da temporada que se aproxima. Acompanhamos todas as movimentações da franquia torcendo para que o elenco fique melhor, que a franquia possa alçar voos mais altos e quem sabe até, uma ida ao Super Bowl. Chega o primeiro jogo da temporada e seu coração está a mil, torcendo para que as suas expectativas se realizem. Entretanto, passado os três primeiros jogos da temporada, o Los Angeles Chargers conseguiu jogar por terra todas as expectativas de seu torcedor, mantendo o seu caminho de erros e insucessos.

Sim, passado 3 jogos o Chargers está com um recorde de 0-3 pela primeira vez na história da franquia desde 2003. Três jogos em que mostrou os mesmos erros dos anos anteriores, e que fez o seu torcedor cair em descrédito. Pegando o histórico da liga, menos de 10% das franquias que começam com um recorde de 0-3 conseguem chegar aos playoffs. Diria que é mais fácil vencer na loteria do que o Chargers ir aos playoffs, ainda mais numa divisão dificílima como a AFC Oeste.

Sim, o Chargers é uma franquia que ainda não aprendeu a fechar jogos. Do inicio da temporada de 2016 para cá, dos 18 jogos disputados pela franquia, 15 foram decididos por menos que 1 posse de bola. E pasmem, o Chargers está 4-11 nesses jogos, o que o coloca com um dos piores recordes no assunto. Caso não se lembre, a franquia proporcionou 3 entregas épicas nas 4 primeiras semanas de 2016 contra Kansas City Chiefs, Indianapolis Colts e New Orleans Saints, mostrando um vasto repertório de como não se fechar jogos. Se refinarmos um pouco mais os nossos dados, veremos que desde 2015, a franquia angelina está 2-9 em jogos decididos por 3 pontos ou menos.

Sim, os erros cometidos pelo Chargers nesse período são basicamente os mesmos dos outros anos. Deve ter alguma explicação plausível sobre a inabilidade da franquia em fechar jogos. Há um ditado proferido por um velho amigo que diz que “times ruins conseguem dar um jeito de perder”. E é basicamente o que vimos nessas 2 primeiras semanas. Vamos recapitular os jogos e identificar esses erros.

Contra o Denver Broncos, a franquia insistiu sucessivamente em corridas ao longo do jogo, mesmo vendo que isso não está tendo o devido sucesso. Assim que chegou a franquia, Anthony Lynn declarou seu interesse em imprimir mais o jogo corrido no plano de jogo do Chargers. Isso justifica-se pela sua expertise no assunto (Bills e Jets lideraram a liga em jardas terrestres, enquanto Lynn foi técnico de RB e coordenador ofensivo das franquias, respectivamente), além do fato de se ter Melvin Gordon no elenco.

Entretanto, as chamadas não foram efetivas e a franquia persistiu no erro por 3 quartos, mostrando pouca variabilidade nas chamadas. Apenas no último quarto, quando estava 17 pontos atrás, a franquia abandonou o conservadorismo que lhe é peculiar e passou a variar mais as jogadas, conseguindo anotar 2 rápidos TDs, um com Keenan Allen, em um passe no fundo da endzone, e outro com Travis Benjamin, em uma deep ball muito bem lançada por Philip Rivers. Graças a o FG errado por Brandon McManus, o Chargers teve a chance de fazer um drive para vence, mas aí vimos o conservadorismo voltar a tona. Ao invés de tentar anotar um TD, a franquia direcionou seus esforços para posicionar-se para a tentativa de FG. O novato Younghoe Koo foi para o FG, mas acabou tendo o chute desviado. É importante destacar aqui que houve um enorme erro da linha em permitir a infiltração e posterior desvio. E isso é evidenciado no discurso dos jogadores do Broncos no pós jogo, onde afirmaram que estavam confiantes em conseguir o desvio, pois nos chutes para XP feitos após os 3 TDs, eles identificaram gaps na linha que poderiam se explorados.

Contra o Miami Dolphins, os mesmos erros. Enquanto propôs um ataque mais progressivo, a franquia conseguiu avançar bem dentro de campo, variando os seus bons recebedores, conseguindo algumas boas jardas terrestres e usando o melhor de Philip Rivers. Entretanto, quando encontrava-se a frente do placar, insistia em chamadas conservadoras que lhe traziam poucos ganhos. Não obstante, teve um FG errado por Koo ainda no primeiro tempo e faltas cometidas que mataram alguns drives. A franquia acabou ficando atrás no placar após um FG de 54 jardas acertado por Cody Parker e teve pouco menos de 1 minuto para conseguir a vitória. Com dois tempos a disposição, Rivers fez um belíssimo drive, mostrando todo o seu talento e conseguindo posicionar a equipe para um FG de 44 jardas. Novamente o jogo nas mãos do novato Koo e mais uma derrota no placar. Dessa vez, um erro totalmente creditado ao calouro, que chutou fraco e sem direção. É  valido destacarmos que a franquia poderia ter avançado mais no campo, proporcionando um chute mais “seguro” ou até mesmo um TD, mas mostrou um total despreparo no gerenciamento do relógio, e se contentou com esse chute de 44 jardas.

Ontem, contra o Kansas City Chiefs, vimos um dos piores jogos de Phillip Rivers pela franquia. Com 4 passes tentados no jogo, o QB angelino já tinha 2 INT contabilizadas contra si. Antes do final do primeiro quarto, ele já tinha 3 INT, só aumentando o estrago. Em todas os TOs, vimos um Rivers lendo mal a defesa adversária, forçando bolas em janelas  ruins e totalmente favoráveis ao defensor. Isso é culpa tanto dele, quanto de Ken Whisehunt, OC da franquia, que mostrou novamente um playcall bem ruim ao longo da partida. Apesar disso, a franquia se manteve viva no jogo graças ao ótimo trabalho do pass rusher que complicou demais a vida de Alex Smith. Mas ai, novamente erros. Quando a defesa conteve o ataque do Chiefs a um FG de 51yd, Cairo Santos partiu pra o chute e errou, mas graças a irresponsabilidade do novato RayShawn Jenkins, uma falta foi marcada e o ataque se manteve em campo, conseguindo um outro FG mais adiante. Ou seja, o que seria uma campanha sem sofrer pontos, por imprudência da unidade de Special Teams, virou 3 pts para o adversário.

Abriremos um parênteses aqui para falar da posição de Kicker na franquia, e seu problema crônico. Remetendo-nos a 2006, o Chargers tinha um grande time e era um dos favoritos ao SB naquele ano. Nate Kaeding era o K da época, e destacava-se por ser bastante efetivo durante a temporada, mas conseguiu a proeza de errar 3 FGs no jogo contra o New England Patriots, pelo divisional da AFC, que foram decisivos para a eliminação da franquia. Kaeding manteve o sue histórico de erros em momentos decisivos por mais alguns anos, até que foi substituído por Nick Novak. Depois de Novak ainda tivemos Josh Lambo, que era inapto em acertar FG de 50+ jardas, e causava irritação em sua torcida. Nesse ano, a franquia apostou no coreano Koo, que já encontra-se na berlinda. Acertou apenas 1 FG dentre 4 possíveis, e foi fator importante na derrota contra o Dolphins, como já evidenciamos. Não se espante caso vejamos uma substituição na posição nas próximas semanas.

Por fim, acompanharmos as reações de Rivers ao longo e término dos jogos é um retrato de como se sente o torcedor da franquia. O veterano QB pareceu não entender algumas chamadas feitas, além dos erros de FGs cometidos nesse jogo, chegando a atirar um copo d’água ao chão após um dos chutes errados. É triste ver um QB de tamanho calibre que não consegue alcançar recordes melhores por uma série de equívocos da franquia, seja dentro ou fora do campo. E dois dados denotam muito isso. Rivers é o QB com mais tentativas de passe nos dois últimos minutos dos jogos desde 1994 (sim, 1994!), ficando bem a frente do segundo colocado. Outro triste fato é que ele é o QB com mais derrotas na carreira (25) em jogos decididos por 3 ou menos pontos, desde que entrou na liga em 2004.

Que a franquia consiga enfim aprender com seus erros e mostrar um maior poder de decisão dentro de campo, aprendendo a vencer nos momentos chave. Caso ela queira ter algum sucesso na liga isso é mandatório e digamos, urgente.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Postagens Relacionadas









Giovani Natal é o setorista da AFC OESTE. Analisa Chiefs, Chargers, Raiders e Broncos às quartas e quintas aqui no site. No projeto setoristas, falamos dos 32 times a cada duas semanas! Siga-o no Twitter para acompanhar mais da cobertura dessa divisão e debater sobre as matérias: @giovani_natal