As 10 histórias mais importantes da Offseason

30 de julho de 2016
Tags: andre oliveira, draft, free agency, offseason, training camp,

Pode comemorar, fã da NFL! O início do período de Training Camps anuncia oficialmente o fim da Offseason de 2016 e a temporada 2016/2017 está cada vez mais perto. Os meses de espera estão chegando ao fim e dentro de poucos dias, mais precisamente em 7 de Agosto, acontecerá o primeiro jogo da pré-temporada entre o Indianapolis Colts e o Green Bay Packers. Entretanto, apesar de não haver muita atividade dentro de campo a não ser os minicamps, a intertemporada não deixou de ser movimentada e vimos muitos desdobramentos importantes acontecerem nesses últimos meses. Com isso em mente, vamos fazer uma rápida reprise das 10 histórias mais importantes que aconteceram na Offseason 2016 da NFL.

NFL ANUNCIA JOGO NO MÉXICO

O anúncio não ocorreu exatamente na offseason (ainda era a semana do Super Bowl 50), mas a repercussão ao longo dos meses seguintes realmente chamou a atenção. Ao anunciar que o jogo entre Houston Texans e Oakland Raiders seria realizado no Estádio Azteca na Cidade do México, a NFL esperava que a resposta fosse positiva por parte dos mexicanos, mas o interesse com relação ao evento foi tão grande que surpreendeu até mesmo a organização. Em questão de minutos, os ingressos para a partida, que será realizada em 21 de Novembro, se esgotaram. Com capacidade atual de 104 mil pessoas, é esperada casa cheia no primeiro Monday Night Football realizado fora dos Estados Unidos.

ESTRELAS SE APOSENTAM

A lista de grandes nomes que se aposentaram esse ano é grande: Peyton Manning, Calvin Johnson, Marshawn Lynch, Heath Miller, D’Brickshawn Fergunson, Logan Mankins, Jared Allen, Justin Tuck, Charles Woodson e por aí vai. A aposentadoria de jogadores como Allen e Manning já eram especuladas, mas muitos foram pegos de surpresa quando “Megatron” e “Beast Mode” anunciaram que pendurariam a chuteira, ambos aos 30 anos. Certamente veremos alguns desses nomes sendo eternizados no Hall da Fama, mas é inegável que todos farão bastante falta a NFL.

MUDANÇAS DE LOCALIDADE E REGRAS DO PRO BOWL DE 2017

O jogo das estrelas será realizado em uma nova casa na próxima temporada, mas nada de Brasil por enquanto. Dessa vez o evento acontecerá em Orlando (Flórida) e a partida ocorrerá no moderno Citrus Bowl. A parceria entre a NFL, Disney e a ESPN é válida por vários anos. Contudo, a nova localidade não é a única mudança, já que o jogo voltará ao formato anterior que dividia os atletas por conferência (NFC e AFC). As alterações são mais um tentativa por parte da NFL em tentar salva o Pro Bowl, que vem caindo de popularidade nos últimos anos.

O FIM DO DEFLATEGATE

Na offseason de 2016 também ocorreu o desfecho de uma das histórias mais bizarras dos últimos anos. Como você já deve saber muito bem, o QB Tom Brady foi acusado de  ter participado na adulteração da pressão das bolas utilizadas na partida contra o Indianapolis Colts durante a final de Conferência da temporada 2014/15. Após meses de disputa entre Brady e Goodell, inclusive judicialmente, o quarterback decidiu não apelar contra a suspensão de quatro jogos que foi mantida pela justiça americana. Com isso, Jimmy Garoppolo, escolha de segunda rodada do Draft 2014, é quem será o titular nas quatro primeiras partidas do New England Patriots na temporada regular e Brady voltará ao posto apenas na semana 5 contra o Cleveland Browns.

A LOUCURA DA FREE AGENCY

Os “absurdos” novos contratos distribuídos na Free Agency ocorrem todo ano, mas nem por isso a abertura do período de negociações deixa de ser interessante. Novamente vimos recordes de valores contratuais sendo quebrados, impulsionados principalmente pelo aumento anual do teto salarial, que acabou sendo maior que o esperado. O New York Giants, Oakland Raiders e Jacksonville Jaguars foram os times que mais gastaram no período de contratações, na esperança que os reforços correspondam aos valores investidos. Também ocorreram surpresas como a decisão do QB Brock Osweiller em não renovar com o Denver Broncos e acabar assinando com o Houston Texans.

PANTHERS RETIRA A FRANCHISE TAG DE JOSH NORMAN

Após  ver o jogador ficar entre os melhores da NFL na última temporada, o Carolina Panthers colocou a Franchise Tag em Josh Norman para impedir o cornerback de ser tornar um agente livre. Após tentativas sem sucesso de negociação de um novo contrato, a franquia decidiu rescindir a Tag, deixando Norman chegar ao mercado. A notícia pegou a todos de surpresa, mas deixava claro que o Panthers não achava que Norman valia o que estava pedindo. Contudo, o  jogador não demorou muito para achar uma nova “casa” na liga e assinou com o Washington Redskins. O contrato foi no valor de US$ 75 milhões, sendo US$ 50 milhões garantidos. As novas cifras colocaram Norman como o jogador mais bem pago da liga em sua posição.

RAMS E EAGLES APOSTAM TUDO NO DRAFT

Quanto vale um QB? Essa pergunta não possui uma resposta exata, mas na preparação para o Draft vimos quanto os times estão dispostos a abrir mão de recursos em busca de um jogador com potencial para a posição. Rams e Eagles tinham, respectivamente, a 15ª e a 13ª escolha geral da primeira rodada. A franquia de Los Angeles cedeu para o Tennessee Titans duas escolhas de primeira rodada (2016 e 2017), duas escolhas de segunda rodada e uma de terceira. Em troca, recebeu a primeira escolha geral (utilizada no QB Jared Goff), uma escolha de quarta rodada e outra de sexta rodada. Já o Eagles começou sua subida em uma troca com o Miami Dolphins, onde recebeu a oitava escolha geral e deu à franquia da Flórida a sua escolha de primeira rodada, LB Kiko Alonso e CB Byron Maxwell. Dias depois, adquiriu a segunda escolha geral do Cleveland Browns (utilizada no QB Carson Wentz) e uma escolha da quarta rodada do Draft 2017. Em troca, cedeu duas escolhas de primeira rodada (2016 e 2017), uma escolha de terceira rodada, uma de quarta rodada e uma de segunda rodada no Draft 2018. Resta saber se esses jogadores vão justificar o investimento nos próximos anos.

NOVAS SUSPENSÕES POR DOPING

Como acontece todo ano, muitos times perderam atletas mesmo antes da temporada começar. Isso porque alguns jogadores são pegos por violar a já conhecida política de abuso de substâncias, que proíbe a utilização de maconha, substâncias que melhoram o desempenho físico (PED), dentre outras. Steelers, 49ers, Cowboys e Colts foram os times mais prejudicados pelas suspensões. A franquia de Pittsburgh perdeu o RB Le’Veon Bell (4 jogos) e o WR Martavis Bryant (1 ano), enquanto o 49ers perdeu o OLB Aaron Lynch (4 jogos). Já o Dallas Cowboys não poderá contar com o ILB Rolando McClain (10 jogos), DE DeMarcus Lawrence (4 jogos) e o DE Randy Gregory (provavelmente 10 jogos). O Indianapolis Colts também perdeu o DE Arthur Jones (4 jogos).

DION JORDAN E JOSH GORDON RECEBEM NOVAS OPORTUNIDADES

Sem título

Após serem suspensos indefinidamente por seguidas violações da política de abuso de substâncias, a NFL reintegrou Gordon e Jordan à liga, mas de forma condicional. Os dois serão acompanhados de perto pela organização e poderão participar dos training camps de suas equipes, podendo frequentar também todas as reuniões do time. Se não serem pegos novamente no teste antidrogas, Jordan poderá voltar na primeira semana enquanto Gordon só poderá retornar aos gramados a partir da semana 5. A oportunidade pode ser a última para dois jogadores muito talentosos que nunca conseguiram se livrar dos problemas extracampo.

FRANQUIAS RENOVAM COM SUAS JOVENS ESTRELAS

A offseason também é a oportunidade dos times assinarem vínculos mais longos com seus principais jogadores e muitas renovações importantes já ocorreram este ano. O QB Andrew Luck (IND), o OLB Von Miller (DEN), o DT Fletcher Cox (PHI), o S Harrison Smith (MIN) e o TE Jordan Reed (WAS) foram alguns dos atletas que merecidamente receberam novos contratos. Luck e Miller ainda se tornaram os dois jogadores mais bem pagos da NFL, enquanto Cox foi mais um pass rusher que recebeu um contrato com um valor total acima dos US$ 100 milhões, mostrando a valorização da posição nos últimos anos. Muitas outras renovações devem sair ainda nesse período de Training Camps, onde é muito comum vermos os chamados “Holdouts”, onde os jogadores se ausentam das atividades dos time em busca de novos contratos.

Postagens Relacionadas









André Oliveira acompanha NFL desde 2007 e NCAA Football desde 2012. É fã da estratégia e rivalidade envolvida no esporte. Responsável pela cobertura do College Football na coluna Mundo College, todo sábado. No twitter: @AndreO_NFL